EFE/Miguel Gutiérrez
EFE/Miguel Gutiérrez

Perfil: Luisa Ortega, procuradora chavista que se rebelou contra Maduro

Ela confrontou o presidente diretamente ao rejeitar a Assembleia Constituinte que propõe para modificar a Carta Magna de 1999

O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2017 | 05h00

CARACAS - Disciplinada e firme de caráter, a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, a quem o Tribunal Supremo de Justiça autorizou julgar, é uma chavista histórica que fez polêmicas acusações contra a oposição e hoje se tornou uma dura adversária do presidente Nicolás Maduro.

Esta advogada de 59 anos, acusada de "faltas graves" no cargo, denunciou a "ruptura da ordem constitucional" por parte do governo Maduro.

Loira, de olhos claros e sempre de óculos, Ortega também dirigiu suas críticas contra o Poder Eleitoral e os militares, considerados pilares do governo Maduro juntamente ao Supremo.

Ortega confrontou Maduro diretamente ao rejeitar a Assembleia Constituinte que propõe para modificar a Carta Magna de 1999, promovida pelo então presidente, Hugo Chávez (morto em 2013), ao considerar que ela viola a democracia.

O deputado chavista Germán Ferrer, com quem é casada há 18 anos, a descreve como uma "pessoa muito disposta, valente e honesta".

"Enfrentaria qualquer coisa para defender seus valores. Ela é a fiadora da legalidade no país, está cumprindo com seu dever", disse à AFP.

A reação governista à rebelião de Ortega foi tal que o deputado Pedro Carreño pediu ao Supremo sua destituição por "insanidade mental", o congelamento de seus bens e a proibição de sair do país.

Desilusão. Segundo Ferrer, sua mulher começou a se desencantar com o governo Maduro a partir de 2016, por discordar da prisão de alguns líderes opositores.

Este distanciamento ficou claro quando o Supremo emitiu, no final de março, uma decisão que retirava as prerrogativas da Assembleia Nacional, dominada pela oposição, o que Ortega qualificou de "ruptura da ordem constitucional".

Desde então, o abismo só aumentou: Ortega pediu a anulação da Constituinte, julgamento de alguns juízes do Supremo e também criticou a "repressão" dos órgãos de segurança aos protestos iniciados em 1º de abril para exigir a saída de Maduro. 

Chamada de "traidora" pelos chavistas, Ortega, a quem Maduro agora qualifica de "líder da oposição", sempre militou na esquerda, sendo ligada a Chávez desde a campanha presidencial de 1998, quando trabalhava como advogada no Estado de Aragua (norte).

Ortega foi nomeada procuradora para Caracas em 2002, e em 2007, com o aval de Chávez, assumiu a Procuradoria-Geral para um período de sete anos, sendo reeleita em 2014 pelo Parlamento, então controlado pelo chavismo.

Apesar de o atual mandato de Ortega prosseguir até 2021, funcionários do governo já marcaram a data de sua destituição: 30 de julho, quando se elegerá a Assembleia Constituinte, um "suprapoder" controlado pelos chavistas.

Faro político. Ortega é lembrada por denunciar os policiais que a Justiça condenou por participação no golpe de Estado contra Chávez em 2002, e também por promover a condenação, a quase 14 anos de prisão, do líder opositor Leopoldo López em 2014, acusado de incitação à violência nos protestos contra Maduro que deixaram 43 mortos. 

O cientista político Nicmer Evans, chavista crítico de Maduro, considera que o papel de Ortega será essencial para "reinstitucionalizar o país". "Representa o chavismo digno, democrático, diante das pretensões totalitárias do madurismo".

Analistas como Félix Seijas consideram que Ortega pode ser a "ponte" entre o chavismo crítico e a  oposição. Um jornalista que a conhece há dez anos garante que Ortega "é muito sagaz e tem grande faro político".

Ortega não tem filhos, mas denunciou ameaças contra seus parentes e responsabilizou o governo por qualquer coisa que possa lhe ocorrer. 

"Até meu último suspiro defenderei a Constituição", prometeu Ortega na segunda-feira em um discurso com tom político para um grupo de funcionários da Procuradoria que saiu às ruas para apoiá-la. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.