Lula: bases na Colômbia cuidarão de problemas internos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje ter conversado com os presidentes Álvaro Uribe (Colômbia) e Barack Obama (Estados Unidos) sobre a instalação de bases norte-americanas e disse que se convenceu de que o objetivo das estruturas militares é auxiliar o país vizinho a cuidar de problemas domésticos, como a luta contra o narcotráfico e o combate às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Na avaliação de Lula, o Brasil não deve interferir na soberania colombiana.

ANNE WARTH, Agencia Estado

19 de outubro de 2009 | 18h27

"Quando aconteceu a questão das bases na Colômbia, eu manifestei as minhas preocupações a Uribe e a Obama. Penso que vamos encontrar uma solução", disse o presidente, após encontro com Uribe na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

"Tanto Uribe quanto Obama me disseram que as bases são para cuidar dos problemas internos da Colômbia. O Brasil não terá motivo para ficar incomodado se o objetivo, e eu confio na palavra dos presidentes, for esse", acrescentou.

Lula destacou que já propôs ao Conselho de Defesa das Nações Sul-Americanas (Unasul) que todos os membros apresentem os acordos nas áreas militar e de defesa aos outros países que integram o bloco. "Eu penso que não deve haver segredos nesse processo de integração que estamos fazendo na América do Sul", afirmou.

Desconfiança

A questão da instalação das bases norte-americanas colocou o país em conflito com o Equador. Os Estados Unidos resolveram instalar as estruturas militares após negativa do presidente Rafael Correa de renovar acordo de concessão semelhante em seu país.

A preocupação em relação às bases é praticamente unânime entre os países da América do Sul. O presidente colombiano disse que as garantias de que as estruturas militares cuidarão apenas de problemas domésticos vêm do processo histórico do país andino.

Segundo Uribe, o governo colombiano avançou muito no combate ao narcotráfico, mas ainda faltam etapas a serem vencidas. "Precisamos da ajuda do Brasil para patrulhamento na região amazônica e enfrentamento do narcotráfico", disse.

Terceiro mandato

Ao ser questionado sobre a possibilidade de concorrer a um terceiro mandato para a Presidência da República, Uribe informou que ainda está "pesando" a hipótese, caso a Suprema Corte daquele país aprove um novo mandato para o presidente. "A Colômbia é um país de instituições, com Justiça independente e autônoma", afirmou Uribe.

"Eu me preocupo com a possibilidade de perpetuação na Presidência, de dar um sinal de apego ao poder. Na verdade, chegar ao poder parece uma conquista, mas é um sacrifício", afirmou. "Peço que nunca se ponha em dúvida a solidez das instituições em nossa pátria", emendou.

O presidente Lula disse ainda que propôs a Uribe que os países da região amazônica (Venezuela, Peru, Equador, Colômbia e Brasil) se reúnam no dia 26 de novembro, em Manaus, para preparar uma proposta unificada sobre a redução do desmatamento que possa ser apresentada na Confederação do Clima, em Copenhague, capital da Dinamarca, no início de dezembro. "Esse é um momento de ouro para a América Sul falar com uma só voz", ressaltou.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaÁlvaro UribebasesColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.