Lula condena enfraquecimento da ONU e pede reforma

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante seu discurso de abertura na 58ª Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas, pediu a reforma da ONU e o fortalecimento da instituição. "Sobre esse ponto não deve haver ambigüidade. A ONU não foi concebida para remover os escombros dos conflitos que não pôde evitar, por mais valioso que seja o seu trabalho humanitário", declarou o presidente."A reforma da ONU tornou-se um imperativo diante do risco de retrocesso no ordenamento político internacional. É preciso que o Conselho de Segurança esteja plenamente equipado para enfrentar crises e lidar com as ameaças da paz. Isso exige que sejam adotados instrumentos eficazes de ação", afirmou Lula. Segundo ele, o Conselho não pode manter a mesma composição de membros permanentes de 60 anos atrás, e o Brasil está pronto para dar sua contribuição. Lula ressaltou, no discurso, o relacionamento com os vizinhos da América do Sul e o papel do País no cenário internacional. "O Brasil tem se esforçado para praticar com coerência os princípios que defende. O novo relacionamento que estamos estabelecendo com os vizinhos do continente sul-americano baseia-se no respeito mútuo, na amizade e na cooperação", declarou. O presidente prosseguiu dizendo que além de aprofundar as relações com os tradicionais parceiros da América do Norte e da Europa, o Brasil está buscando ampliar e diversificar sua presença internacional. "Nas parcerias com a China e com a Rússia estamos descobrindo do novas complementaridades", afirmou. Para ler mais: Lula propõe na ONU comitê mundial de combate à fomeLula faz homenagem a Sérgio Vieira de MelloA íntegra do discurso de Lula na ONUAnálise: o discurso de Lula na ONU deverá ter mais visibilidade do que os de seus antecessores

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.