Lula condena execução de Saddam Hussein

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste sábado que a execução do ex-ditador do Iraque Saddam Hussein não resolverá os problemas de violência naquele país. De acordo com Lula, a situação somente será solucionada quando as decisões forem tomadas pelos próprios iraquianos e não por pessoas de fora. "Enquanto tiver gente de fora dando palpite na política do Iraque, ela não vai dar certo", disse."Eu sou contra a pena de morte por convicção", declarou. "Não apenas convicção religiosa, mas política", afirmou o presidente. Lula chegou a levantar dúvidas sobre o julgamento do ex-ditador. "Eu não sei se o julgamento do Saddam Hussein foi um julgamento ou foi uma vingança", disse. "De qualquer forma, eu acho que a violência no Iraque vai continuar".O presidente criticou o fato de "gente de fora" opinar na política iraquiana. De acordo com ele, isso não dá certo em nenhum lugar. "Não dá certo lá, não daria certo no Brasil, não daria certo na Argentina, não daria certo na Rússia e muito menos nos Estados Unidos", afirmou. "Eu penso que os que estão ocupando o Iraque têm de ter consciência de que esse país só irá encontrar paz quando permitirem que as divergências internas sejam resolvidas por eles mesmos", concluiu Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.