Lula critica mediação dos EUA no diálogo de paz do Oriente Médio

Presidente defende inclusão de 'outros agentes' nas negociações entre israelenses e palestinos

Reuters

20 de dezembro de 2010 | 17h20

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira, 20, que não acredita em um acordo de paz no Oriente Médio enquanto o principal mediador do diálogo entre israelense e palestinos forem os EUA.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

"Estou convencido que não haverá paz no Oriente Médio enquanto os EUA forem o tutor da paz", disse Lula em discurso durante encontro de final de ano de oficiais das Forças Armadas, em Brasília. "É preciso envolver outros agentes, outros países para poder negociar a questão da paz no Oriente Médio. Não é uma questão dos americanos", disse.

 

Os EUA atuam como mediadores das conversas de paz entre Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP). O diálogo direto foi retomado em setembro, mas pouco avançou devido à expansão das colônias judaicas nos territórios ocupados.

 

Lula tem defendido um papel mais atuante do Brasil no processo de pacificação do Oriente Médio. Em maio, o presidente visitou o Irã para tentar mediar um acordo sobre o programa nuclear da República Islâmica. As potências ocidentais suspeitam que o programa de Teerã tem objetivos bélicos, mas o governo iraniano afirma que enriquece urânio com fins pacíficos.

 

O presidente lembrou que a conversa com seu colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, levou em conta os termos de uma carta enviada a ele pelo presidente americano, Barack Obama, dez dias antes de sua visita a Teerã.

 

"Antes de viajar, nós recebemos uma carta do presidente Obama que colocava algumas condições (para um acordo internacional)", disse Lula. "O presidente Ahmadinejad aceitou exatamente o termo que levamos e por isso assinou que estava disposto a sentar na mesa na comissão em Genebra", declarou.

 

O Brasil e a Turquia tentaram mediar um acordo de troca de combustível nuclear com o Irã, para evitar a imposição de sanções ao país. No entanto, o acordo não impediu que as potências ocidentais seguissem pressionando por novas sanções ao país.

 

Lula argumentou que o único motivo para que o acordo não fosse aceito pela comunidade internacional é porque Brasil e Turquia estariam interferindo em um assunto que não caberia a países emergentes.

 

"Mesmo assim, os países do Conselho de Segurança (da ONU) resolveram punir o Irã. Por quê? A única explicação é que era preciso punir o Irã porque o Brasil e a Turquia tinham se metido numa seara que não era a de país considerado emergente", afirmou. "O que o Ahmadinejad assinou é exatamente aquilo que o presidente Obama colocou para nós dez dias antes de a gente viajar para o Irã", declarou.

 

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena - composto por Rússia, França e EUA - e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.