Lula defende fundador do WikiLeaks e liberdade de expressão na internet

Sem deixar de lado as ironias em relação à imprensa, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestou ontem solidariedade ao "rapaz" do site WikiLeaks, o australiano Julian Assange, preso em Londres - a pedido da Interpol - pela acusação de ter abusado sexualmente de duas mulheres na Suécia.

Leonencio Nossa e Tânia Monteiro,

10 de dezembro de 2010 | 00h35

Assange nega a acusação e diz que está sendo perseguido por revelar documentos secretos da diplomacia americana e de empresas. O discurso de Lula em defesa da "liberdade de expressão" começou com uma crítica à imprensa, que não estaria dando apoio ao australiano.

"O que eu estranho é que o rapaz que estava desembaraçando a diplomacia americana, como é que se chama, hein? WikiLeaks, foi preso e não estou vendo nenhum protesto contra (pela) a liberdade de expressão", disse o presidente.

No discurso feito durante balanço de quatro anos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Lula orientou o fotógrafo oficial da presidência, Ricardo Stuckert, a divulgar no blog do Planalto o "primeiro protesto" contra a prisão de Assange. "É engraçado, não tem nada, nada contra (o cerceamento) à liberdade de expressão de um rapaz que estava colocando a nu um trabalho menor de alguns embaixadores", disse. "Ô Stuckinha, pode colocar no blog o primeiro protesto", repetiu. "O rapaz estava colocando apenas aquilo que leu", acrescentou o presidente.

Nos oito anos de governo, Lula fez uma série de críticas à imprensa por divulgar ações de governo e dados de investigações, alegando que isso não contribui para o País. Ontem, ele disse que o culpado não é quem divulga. "Em vez de culpar quem divulgou, culpe quem escreveu a bobagem, porque senão não teria o escândalo que tem", afirmou.

Lula aproveitou o discurso de ontem para orientar a presidente eleita, Dilma Rousseff, a não permitir "bobagens" de diplomatas brasileiros.

"Eu não sei se meus embaixadores passam esses telegramas. Mas olhem, a Dilma tem que saber e falar para o seu ministro: "Se não tiver o que escrever, não escreva bobagem, passe em branco a mensagem.""

Para o presidente, o WikiLeaks "desnudou" uma diplomacia que parecia "inatingível" e "a mais certa do mundo". "Eu não sei se colocaram cartaz como no tempo do faroeste, assim: "Procura-se vivo ou morto"", afirmou.

O governo dos EUA rebateu as críticas do presidente Lula. "As acusações pelas quais Assange foi detido não têm nada a ver com o WikiLeaks", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado, Charles Luoma-Overstreet, em referência ao fato de o fundador do site ter sido detido pela polícia londrina por causa de supostos crimes sexuais cometidos na Suécia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.