Lula defende maior esforço mundial contra crise coreana

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu hoje maior entendimento internacional para evitar o aumento do conflito entre as Coreias do Norte e do Sul. Em discurso de brinde ao presidente do Uzbequistão, Islam Karimov, Lula voltou a defender mudanças na estrutura do Conselho de Segurança da ONU, com o assento permanente do Brasil. A Coreia do Norte ameaça a Coreia do Sul de ataque militar, depois da decisão de Seul de se unir a uma iniciativa internacional para interromper a disseminação de armas nucleares. Segundo o presidente Lula, o problema na Coreia do Norte "ressalta a importância da Ásia Central de se ver livre de armas nucleares".

LEONENCIO NOSSA, Agencia Estado

28 de maio de 2009 | 15h50

No almoço, no Palácio do Itamaraty, Lula brindou Karimov com uma edição especial da cachaça "Realíssima", produzida no circuito turístico da Estrada Real, em Minas Gerais. Já Karimov, brindou o presidente com vodca. Em 2004, numa recepção ao presidente russo, Wladimir Putin, Lula já tinha usado aguardente na cerimônia do Palácio do Itamaraty.

Em seu discurso, Karimov elogiou as medidas tomadas por Lula para combater a crise financeira internacional. Ele disse que apesar da distância geográfica entre o Brasil e o Uzbequistão os dois países podem fechar bons negócios na área de comércio. "Estou convencido que as medidas de combate à crise tomadas pelo governo brasileiro confirmam a certeza do presidente Lula de que o País, entre os grandes países, sairá mais rápido da crise."

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NortenuclearLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.