Lula destaca méritos de nova presidente do Chile

Michelle Bachelet não foi eleita por ser mulher, mas por seus méritos e por ter melhores condições de governar o Chile. Essa síntese, que afasta as interpretações simplistas sobre a eleição de uma mulher para a presidência de um país claramente conservador, foi transmitido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Escolhido para discursar durante o almoço oferecido por Bachelet no Palácio de Cerro Castillo, em Viña del Mar, em nome das 120 delegações estrangeiras presentes, Lula concluiu sua fala com um sonoro "Michelle, estamos contigo" - uma adaptação do slogan da campanha da nova presidente chilena, "estoy contigo"."Michelle Bachelet, você não foi eleita por ser mulher, mas por seus atributos, que aos olhos do povo chileno - homens e mulheres - lhe conferem as melhores condições para governar o Chile", declarou, em português. "Mas, felizmente, para a sociedade chilena, você não deixou de ser eleita por ser mulher."Pouco antes, ao final da cerimônia no Congresso Nacional, Lula havia ressaltado que a posse de Bachelet é "um tijolo a mais" na consolidação da democracia na América do Sul e simboliza uma evolução na participação política das mulheres no continente. Também afirmara que os historiadores devem destacar o fato de que, a partir da eleição de abril no Peru, ele e Hugo Chávez, da Venezuela, serão os "presidentes mais antigos da América do Sul"."Ela é uma mulher experiente e lutadora. Tenho certeza que vai fazer um bom governo e trabalhar para a consolidação da democracia", afirmou Lula sobre Bachelet.No seu discurso, o presidente teve o cuidado de cobrar a preservação da política em favor do multilateralismo do ex-presidente Ricardo Lagos no governo Bachelet.Argumentou que o Chile é um "ator importante nas grandes decisões" latino-americanas e, ao destacar a presença do presidente eleito do Haiti, René Préval, afirmou que seu país, o Uruguai, a Argentina, o Peru e o Brasil provaram que o mundo será melhor se trilhar "os caminhos da paz, dos direitos humanos e do respeito ao direito internacional".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.