Lula discute bases com Obama

Por telefone, presidente reforça convite para cúpula da Unasul

Leonencio Nossa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

22 de agosto de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva propôs ontem, por telefone, ao presidente americano, Barack Obama, uma reunião com a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) para discutir sobre o acordo de cessão de bases militares na Colômbia aos EUA, informou o chanceler Celso Amorim.No telefonema, que durou cerca de 30 minutos, Lula ainda pediu garantias jurídicas por parte dos EUA e da Colômbia de que as bases serão usadas apenas para o combate ao narcotráfico e à guerrilha. Lula, segundo Amorim, pediu que Obama sugerisse uma data e local para a reunião. A próxima cúpula da Unasul será no dia 28, em Bariloche, Argentina, e a questão não deve ser discutida no encontro, segundo o chanceler."O presidente Lula reiterou que respeita a soberania da Colômbia, mas salientou que há uma sensibilidade na região e em alguns países essa sensibilidade ainda é maior", disse Amorim, referindo-se a Equador e Venezuela. Segundo o chanceler, o presidente americano disse que vai considerar a possibilidade de uma reunião da Unasul. O ministro informou ainda que nos próximos dias os EUA enviarão um técnico do governo para dar esclarecimentos ao governo brasileiro sobre o acordo das bases. Lula também comentou sobre a situação política em Honduras e disse que a volta do presidente deposto, Manuel Zelaya, é imprescindível para a democracia em toda a região. Lula avaliou que é preciso uma pressão adequada por parte da Organização dos Estados Americanos (OEA). Obama relatou as medidas adotadas pelos EUA no caso de Honduras e informou que será enviada uma missão americana a Tegucigalpa para avaliar a crise. Segundo nota divulgada pela Embaixada dos EUA no Brasil, Obama reafirmou seu compromisso com as relações de longa data de seu país na região e seu desejo de trabalhar em parceria construtiva com o Brasil e outros países em todo o continente para ajudar a promover a democracia, a segurança e a prosperidade dos povos das Américas. A embaixada disse que Obama espera encontrar com o presidente Lula no próximo mês em Pittsburgh, na Cúpula do G-20, e continuar a fortalecer a parceria com o Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.