''Lula é prova de que EUA dialogam com a esquerda''

Assessor de McCain para a América Latina reitera[br]que eleição de republicano favoreceria mais a região

Lourival Sant?Anna, Saint-Paul, EUA, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2008 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva é uma prova de que os Estados Unidos estão prontos para conversar com governantes de esquerda. E um futuro governo do republicano John McCain reativaria as negociações comerciais com a América Latina, ao contrário do que faria o candidato democrata Barack Obama, que não acredita em livre comércio. Foi o que afirmou ontem Otto Reich, ex-secretário-assistente de Estado para a América Latina no governo de George Bush e assessor de McCain, respondendo a duas perguntas do Estado, durante entrevista coletiva."O presidente brasileiro é um exemplo de como os Estados Unidos reagem de forma diferente diante de diferentes líderes", afirmou Reich, considerado um linha-dura na política externa, sobretudo em relação ao governo de Cuba e à Venezuela de Hugo Chávez. "Eu era secretário-assistente de Estado durante a primeira campanha de Lula e nos disseram que não podíamos deixá-lo ser presidente. Respondi que não votava no Brasil e, para nós, o mais importante era que o presidente fosse eleito democraticamente. Se Lula fosse eleito, nós tentaríamos trabalhar com ele. E, quer saber? Nós trabalhamos com ele.""Discordamos em alguns assuntos, como comércio, mas de maneira amigável, assim como discordamos dos alemães, dos franceses ou dos canadenses", sublinhou Reich, referindo-se ao fracasso das negociações para a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e, mais recentemente, da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio."O comércio é uma das áreas de contraste marcado entre McCain e Obama", disse Reich. "McCain sempre foi a favor de mais livre comércio, de abertura do nosso mercado e também dos outros países", afirmou. "Obama é contra os acordos de livre comércio e cede às pressões daqueles que acham que o comércio elimina empregos nos EUA." Segundo Reich, os republicanos acreditam que o livre comércio é benéfico, um fator capaz de gerar empregos tanto nos países latino-americanos quanto nos próprios Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.