Lula inaugura ponte com Chávez a três semanas de eleição

A três semanas das eleições presidenciais na Venezuela, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa nesta segunda-feira, junto com o presidente venezuelano Hugo Chávez, da inauguração da uma ponte sobre o rio Orinoco, na Venezuela. A ponte foi construída pela empresa brasileira Odebrecht e é por isso, de acordo com o Palácio do Planalto, que Lula participa da inauguração. A ponte terá as duas bandeiras, a venezuelana e a brasileira. Segundo o governo da Venezuela, é para "selar a solidariedade entre os irmãos desse grande gigante sul-americano". Lula chega a Puerto Ordaz, no sul da Venezuela, na noite de domingo. Na segunda-feira, além da inauguração da ponte, deve visitar um poço de petróleo explorado em conjunto pela Petrobras e pela PDVSA, a estatal venezuelana de petróleo. As duas empresas fizeram uma joint-venture para explorar petróleo na Faixa Petrolífera do Orinoco, uma região com reservas estimadas em 30 bilhões de barris de petróleo. Lei eleitoral Chávez disse à imprensa oficial venezuelana que os dois presidentes também devem conversar sobre o Gasoduto do Sul, que teria 8 mil quilômetros de extensão, ligando a Venezuela à Argentina e passando pelo Brasil, ao custo de US$ 20 bilhões. O presidente Lula volta a Brasília no fim da tarde de segunda-feira. A viagem havia sido programada há dois meses, a convite de Chávez, mas o Planalto ficou com medo de que a Justiça Eleitoral interpretasse a inauguração da obra ? embora em solo venezuelano ? uma violação à lei eleitoral brasileira, que proíbe inaugurações durante a campanha. Com isso, a viagem foi adiada e só entrou de novo na agenda presidencial no fim de semana passado, quando foi anunciada em Montevidéu pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. O tempo de planejamento foi tão curto que a equipe de diplomatas do Itamaraty e funcionários do Planalto que cuidam da organização em campo só embarcaram para a Venezuela nesta sexta-feira. Normalmente, a equipe, chamada de Escav (escalão avançado), já está em campo pelo menos quatro dias antes das viagens presidenciais. A correria também explica a indefinição da agenda, a cargo dos venezuelanos. Até esta sexta-feira, tanto do lado brasileiro como do lado venezuelano, a agenda tratava a visita ao poço de petróleo operado em conjunto pela Petrobras e PDVSA apenas como uma possibilidade. Orinoco A segunda ponte sobre o Rio Orinoco é uma obra importante para o governo venezuelano. A obra custou US$ 1,28 bilhão e começou a ser planejada em 2000. A ponte tem três quilômetros de extensão e vai ligar o Estado de Bolívar, no lado sul do rio, a Anzoátegui e Monagas, no nordeste do país. De acordo com o governo venezuelano, a obra vai permitir o desenvolvimento do local, com a instalação de um pólo industrial na região. O Orinoco é o principal rio da Venezuela. Com 2.140 quilômetros de extensão, ele nasce perto da fronteira com o Brasil e recebe água de 194 rios e 600 afluentes, em uma bacia de 1 milhão de quilômetros quadrados. A nova ponte tem quatro pistas de rodovia e uma ferrovia. A primeira ponte, em um trecho mais estreito do rio, foi construída nos anos 1960.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.