Lula lamenta uso da força contra Iraque sem autorização da ONU

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um pronunciamento à Nação lamentando o início da ação armada dos Estados Unidos no Iraque, sem autorização expressa do Conselho de Segurança nas Nações Unidas. Ele lembrou que, desde que assumiu a Presidência, manteve contato com diversos líderes estrangeiros buscando ajudar em uma solução negociada para o conflito. "Da nossa parte, a diplomacia brasileira e eu, pessoalmente, fizemos todo o possível para que o conflito fosse evitado". Lula disse que, diante o início da guerra, preocupa-se com o sofrimento de inocentes e fez um apelo para que sejam respeitadas as normas dos direitos internacionais no que se refere à proteção de civis e refugiados. E disse ainda que preocupa-se com as repercussões regionais e internacionais do conflito, principalmente com um agravamento da instabilidade no Oriente Médio. "Todos precisamos de estabilidade e de paz para levar adiante nossa luta pelo desenvolvimento econômico com justiça social". O presidente disse que o governo está tomando as providências para que o povo brasileiro não sofra com os efeitos da guerra e está cuidando do abastecimento, da saúde, da vigilância de fronteiras e do apoio aos brasileiros que vivem na região do conflito. "Estou certo de que, com todas essas atitudes, interpreto o sentimento do povo brasileiro, que deseja viver em um mundo pacífico, em que as normas do direito internacional sejam plenamente respeitadas", encerrou o presidente. Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula - Os primeiros 100 dias Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.