Lula nomeia Bastos para ir à posse de Calderón, no México

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não deve comparecer à posse do novo presidente do México, Felipe Calderón Hinojosa. Para representá-lo na cerimônia, que ocorre no dia 1º de dezembro, na Cidade do México, Lula designou uma missão especial chefiada pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e integrada ainda pelo embaixador do Brasil no México, Ivan Oliveira Cannabrava, e pelo diretor do Departamento das Américas do Norte, Central e Caribe, do Ministério das Relações Exteriores, Gonçalo de Barros Carvalho e Mello Mourão. A decisão do presidente está em decreto publicado nesta terça-feira no Diário Oficial da União. As eleições no México passaram por período de tensão. O líder esquerdista López Obrador perdeu a eleição para Calderón para o conservador Felipe Calderón por menos de 250 mil votos em um universo de mais de 41 milhões, ou 0,58 ponto percentual, e iniciou uma forte reivindicação da esquerda do país contra o resultado. Obrador já deixara claro mesmo antes da eleição que não aceitaria um resultado que não lhe fosse favorável, disse que o processo eleitoral foi "marcado por irregularidades" e voltou a exigir que se faça nova apuração, "voto por voto, urna por urna", o que é legalmente impossível, segundo o presidente do Trife, Leonel Castillo. Semana passada, o esquerdista se declarou "presidente-eleito", com direito a gabinete de secretários e salário de US$ 4.500, doados por simpatizantes.

Agencia Estado,

28 Novembro 2006 | 21h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.