Lula se diz "indignado" com ataques a Qana

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo, 30, por meio de carta ao primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, que o Brasil apóia o apelo do Líbano para que o Conselho de Segurança das Nações Unidas imponha cessar-fogo imediato ao conflito com Israel. Lula disse que instruiu o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a adotar esta posição. "O Brasil deseja o cessar fogo imediato e defende que se busque uma solução pacífica para o conflito", comentou o coordenador no Itamaraty do grupo de trabalho de apoio aos brasileiros no Líbano, embaixador Everton Vieira Vargas, após ler a mensagem do presidente. Na carta, Lula também criticou os ataques realizados por Israel a alvos civis no sul do Líbano. "Estou profundamente chocado, indignado e consternado com os violentos bombardeios israelenses deste domingo na localidade de Qana, no sul do Líbano, que vitimaram a população civil, incluindo dezenas de crianças, mulheres e idosos", diz. O presidente afirma que o governo brasileiro repudia atos de violência indiscriminada e ao uso da força militar contra alvos civis por qualquer dos lados. Os bombardeios de Israel em Qana mataram pelo menos 56 civis, na maioria crianças.

Agencia Estado,

30 de julho de 2006 | 17h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.