Lula se diz "indignado" com ataques a Qana

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo, 30, por meio de carta ao primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, que o Brasil apóia o apelo do Líbano para que o Conselho de Segurança das Nações Unidas imponha cessar-fogo imediato ao conflito com Israel. Lula disse que instruiu o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a adotar esta posição. "O Brasil deseja o cessar fogo imediato e defende que se busque uma solução pacífica para o conflito", comentou o coordenador no Itamaraty do grupo de trabalho de apoio aos brasileiros no Líbano, embaixador Everton Vieira Vargas, após ler a mensagem do presidente. Na carta, Lula também criticou os ataques realizados por Israel a alvos civis no sul do Líbano. "Estou profundamente chocado, indignado e consternado com os violentos bombardeios israelenses deste domingo na localidade de Qana, no sul do Líbano, que vitimaram a população civil, incluindo dezenas de crianças, mulheres e idosos", diz. O presidente afirma que o governo brasileiro repudia atos de violência indiscriminada e ao uso da força militar contra alvos civis por qualquer dos lados. Os bombardeios de Israel em Qana mataram pelo menos 56 civis, na maioria crianças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.