Lula: vitória de Correa reforça tendência progressista na AL

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva telefonou nesta terça-feira para o presidente eleito do Equador, Rafael Correa, e o cumprimentou pela vitória. "Foi uma conversa extremamente cordial e o presidente Lula sublinhou que considerava muito positiva a eleição dele, por considerar que reforça uma tendência progressista, de integração do continente sul-americano", afirmou Marco Aurélio Garcia, assessor especial de Relações Internacionais do Palácio do Planalto e presidente interino do PT. Garcia também conversou com Correa. Lula convidou o colega para visitar o Brasil. "Vamos ver se é possível que ele venha antes da posse no Equador, em 15 de janeiro", disse Garcia. "Esperamos que Brasil e Equador tenham uma relação muito boa." Correa, por sua vez, recebeu com "satisfação" o telefonema de seu colega brasileiro, mas ainda não sabe se atenderá ao convite para visitar o Brasil, segundo seus assessores. "O presidente Correa deve descansar alguns dias antes de assumir qualquer compromisso", disse ao Estado um de seus funcionário de campanha, Arturo Tello. "Não há nenhuma decisão ainda sobre uma viagem ao Brasil antes da posse (em 15 de janeiro)." A Embaixada do Brasil em Quito também não tinha recebido nenhuma informação sobre a possível visita de Correa. Correa é amigo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. "Mas os meus amigos não mandam na minha casa", ressalvou o presidente eleito do Equador, no domingo à noite, na tentativa de mostrar sua independência de Chávez. Segundo o Itamaraty, o presidente Lula e Correa conversaram por telefone durante alguns minutos. Na véspera, a chancelaria brasileira já havia enviado ao presidente eleito uma mensagem felicitando "os doutores Rafael Correa e Lenin Moreno, futuros presidente e vice-presidente do Equador" pela vitória eleitoral no domingo. As emissoras de TV equatorianas destacaram nesta terça-feira a conversa telefônica entre Lula e Correa. Apuração Segundo os últimos dados do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) equatoriano, após a apuração de 90,11% dos votos das eleições de domingo, Rafael Correa conta 57,88% dos sufrágios, o que torna matematicamente impossível alguma mudança no resultado eleitoral. Ainda de acordo com a apuração, seu oponente, o populista de direita Álvaro Noboa, tem 42,12% dos votos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.