Lula volta a defender WikiLeaks

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender ontem o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, e afirmou que pretende participar de protestos contra a censura do site, que publicou documentos secretos da diplomacia americana.

, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2010 | 00h00

"Com certeza vamos protestar contra aqueles que censuraram o WikiLeaks. Vamos fazer manifestação, porque liberdade de imprensa não tem meia cara, liberdade de imprensa é total e absoluta. Não pode desnudar apenas um lado, precisa desnudar tudo", disse Lula durante a entrega do Prêmio Nacional de Direitos Humanos.

"Não ficarei dentro de uma redoma de vidro. Vou fazer política. Então, podem estar certos que nós vamos nos encontrar em algum lugar, em alguma assembleia, passeata, ato público ou protesto. Mas não contra Dilma", afirmou o presidente, em discurso.

Na semana passada, Lula criticou a prisão de Assange. " Estranho é que o rapaz que estava desembaraçando a diplomacia americana foi preso e não vejo nenhum protesto", disse o presidente durante evento na quinta-feira.

"Dilma (Rousseff) tem de saber e falar para os seus ministros que, se não tiver o que escrever, não escrevam bobagens, que passe em branco a mensagem", afirmou o presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.