Luto nacional enfraquece panelaço na Argentina

O panelaço convocado pelas redes sociais na noite desta quinta-feira, na Argentina, foi enfraquecido por luto nacional com a tragédia ocorrida na cidade de Rosario, onde uma explosão em um edifício deixou mortos e feridos. Os manifestantes se concentraram a partir das 20 horas em pontos estratégicos de Buenos Aires, como a Praça de Mayo e o Obelisco, além de bairros em que os panelaços são uma tradição, como em Caballito.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE, Agência Estado

08 de agosto de 2013 | 22h37

Ao contrário dos quatro panelaços anteriores realizados contra o governo de Cristina Kirchner, no último ano, a dispersão das concentrações começou mais cedo, apenas cerca de hora e meia após o início do protesto. "Stop corrupção"; "Cristina, apenas aceite e respeite quem pensa diferente do governo"; "Queremos mais segurança e emprego"; "Pelo fim das mentiras kirchneristas"; "Não queremos que controlem nossas liberdades", eram alguns dos cartazes exibidos.

A mobilização ocorreu faltando apenas três dias para as eleições primárias partidárias que vão confirmar os candidatos que concorrerão às eleições parlamentares de outubro. O protesto gerou polêmicas por causa do luto decretado pelas vítimas da explosão ocorrida na última terça, 06, consequência de um vazamento de gás. As equipes de resgate ainda buscam vítimas nos escombros.

Tudo o que sabemos sobre:
panelaçoCristina Kirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.