Macau assiste à maior manifestação desde devolução à China

Mais de 5 mil cidadãos protestaram nas ruas de Macau contra a política trabalhista do Governo, na maior manifestação vista na ex-colônia portuguesa desde que voltou ao controle da China, em 1999, informou hoje o jornal "South China Morning Post".Durante o protesto, que aconteceu ontem por causa do Dia do Trabalho, 25 policiais e dois manifestantes ficaram feridos quando a manifestação rompeu um cordão de isolamento diante da sede do Governo. Três homens e uma mulher foram detidos, acrescenta o jornal.Os participantes eram, em sua maioria, de meia-idade e desempregados. Eles se revoltaram com o aumento de "operários importados" (trabalhadores vindos de outras partes da China). Outras palavras de ordem reivindicavam sufrágio universal, democracia e educação universitária gratuita.A manifestação foi organizada por oito pequenos sindicatos independentes. A Federação de Sindicatos, ligada a Pequim, que reúne os principais sindicatos de Macau, decidiu não participar. No total, 450 agentes, 20 carros e 30 motocicletas foram mobilizados para conter a manifestação. Segundo o chefe da Polícia, os manifestantes mudaram a rota acertada com as autoridades.Macau, enclave situado no sul da China e cuja fonte básica de riqueza é o "turismo de cassinos", tem cerca de 480 mil habitantes. Dos seus 260 mil trabalhadores, mais de 43 mil são originários de outras regiões chinesas. Seu status é de região administrativa especial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.