EFE/ Juan Ignacio Roncoroni
EFE/ Juan Ignacio Roncoroni

Macri pagará abono para reverter desvantagem na Argentina

Alvo das medidas é a classe média baixa, que nas prévias migrou os votos para o kirchnerismo

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2019 | 10h29
Atualizado 15 de agosto de 2019 | 12h15

BUENOS AIRES - O presidente da Argentina, Mauricio Macri, anunciou nesta quarta-feira, 14, medidas econômicas para reverter sua baixa popularidade, depois da derrota para o kirchnerista Alberto Fernández nas prévias de domingo.

O alvo das medidas é a classe média baixa, que nas prévias migrou os votos para a chapa de Fernández e da ex-presidente Cristina Kirchner, candidata a vice, e evitar que a reação negativa dos mercados à primária de domingo agrave ainda mais a crise econômica no país.

Para Entender

Guia para entender as prévias da eleição na Argentina

As primárias do país, realizadas no domingo, servem como termômetro para as eleições nacionais, no dia 27 de outubro

Entre os anúncios estão um abono salarial para empregados públicos e privados e uma espécie de restituição no imposto de renda no valor de 2 mil pesos (cerca de R$ 140). Ele chegou a anunciar o congelamento da gasolina por 90 dias, mas, 12 horas depois, o governo deu um passo atrás e disse que a medida ainda não entraria em vigor, pois seria necessário um diálogo com as petrolíferas. “Não é um recuo definitivo, mas vamos conversar”, informou a Secretaria de Energia, acrescentando que esse congelamento deve ser realizado de acordo com as empresas. 

O presidente também anunciou um aumento no salário mínimo e medidas para pequenas e médias empresas, além de um aumento em bolsas de estudo para jovens universitários de 40%. 

Com o anúncio e ao longo de todo o dia, Macri tentou acalmar os argentinos e os mercados. “Minha tarefa é garantir a governabilidade. O diálogo é o único caminho”, disse o presidente.

Mais tarde, o presidente conversou com Fernández e disse que o rival se comprometeu a acalmar o mercado caso seja eleito. “Ele prometeu colaborar no que foi possível para que o processo eleitoral afete o menos possível a economia dos argentinos”, afirmou Macri. 

Fernández disse, por sua vez , que as medidas não são ruins, mas o pacote é tardio. “É como dar a extrema-unção a um ateu”, afirmou. “Não adianta.”

Impacto paliativo na economia

Segundo o governo, o custo das medidas foi estimado em US$ 634 milhões. Os recursos virão de obras públicas que serão adiadas em um primeiro momento. O economista Ignacio Almirón, da Universidade de Buenos Aires, calcula um impacto de 0,15% do pacote no PIB argentino.

"O impacto deve ser paliativo porque a desvalorização do peso desde a eleição terá um peso muito grande no custo de vida, da ordem de 30%", explicou. " Os recursos anunciados pelo governo recuperariam apenas 20% dessa desvalorização."

Ainda de acordo com o economista, o aumento nas bolsas de estudo, que são maiores, de cerca de 40%, não cobrirão a inflação anual porque o benefício não era reajustado desde o início do ano. Além disso, os aposentados, bastante afetados pela alta dos preços, não foram contemplados no anúncio. 

Analistas veem anúncio com cautela

“O objetivo dos anúncios é amenizar a crise na classe média - uma porção do eleitorado que o abandonou no domingo e estava com ele em 2015”, disse ao Estado Facundo Galván, da Universidade Católica de Buenos Aires. “Os anúncios fazem parte de um pacote que busca melhorar a situação em um contexto de crise, principalmente na classe média.”

Ainda de acordo com o analista, ainda é cedo para dizer se essas medidas se mostrarão acertadas. "Em outubro saberemos se Macri conseguiu convencer os descontentes com a crise e sua liderança", acrescentou.

Para Ignacio Labaqui, também da UCA, dificilmente as medidas terão um impacto na eleição. "Trata-se de um paliativo para uma situação bastante complexo e é difícil reverter o resultado das primárias", avaliou. "talvez Macri consiga tirar votos de Lavagna, impulsionado pelo medo da volta do kirchnerismo, mas isso deve render a ele apenas alguns pontos porcentuais." 

Pequeno produtor e oposição dizem que medidas são insuficientes

Entidades patronais disseram que as medidas são bem-vindas, porém insuficientes. A Associação Nacional de Empresários disse em nota que esperava mais mudanças. "O que foi anunciado é insuficiente e distante do necessário para recuperar pequenas e médias empresas", afirma o texto. "Hoje na Argentina mais de 100 empresas estão fechando por dia."

Fernández disse que as novas medidas econômicas anunciadas por Macri nesta quarta-feira, incluindo impostos mais baixos e subsídios para o bem-estar, são positivas, mas aconteceram tarde demais. Ele também disse que não faz sentido se encontrar com Macri, mas que ajudará o governo.

Macri afirmou que está disposto a se reunir com a oposição quando anunciou as novas medidas econômicas.

Derrota em primária surpreendeu Macri

Fernández obteve no domingo, 11, 47% dos votos nas primárias para a eleição de outubro, com uma vantagem de 15 pontos sobre Macri. Com as candidaturas definidas por consenso, as prévias no país tornaram-se um termômetro da disputa presidencial. Assim, o prognóstico para a reeleição de Macri é sombrio. 

Caso confirmada a tendência de ontem em outubro, Fernández seria eleito em primeiro turno, já que na Argentina bastam mais de 45% dos votos para evitar o segundo turno. 

Ex-chefe de gabinete de Cristina e do ex-presidente Néstor Kirchner, Fernández nunca disputou uma eleição majoritária e conta com o potencial de transferência de votos da ex-presidente, que ainda é muito popular no país, e com sua habilidade política para unificar as diversas correntes do peronismo, para derrotar Macri. 

Classe média migrou para o kirchnerismo

Com a economia argentina em mau momento, a instabilidade nos mercados deve contribuir para agravar os efeitos da crise no cotidiano da população, principalmente a classe média.

A inflação deve fechar o ano na casa dos 40%. A taxa de desemprego é a maior desde 2006 e a pobreza cresceu no ano passado quase 5 pontos porcentuais, atingindo três em cada dez argentinos. 

“Com a reação dos mercados, a economia deve se deteriorar mais e isso prejudica mais a Macri”, disse ao Estado Mariel Fornoni, da consultoria Management & Fit. “É uma eleição muito difícil de reverter. Somadods, os votos das outras candidaturas não dariam a vantagem ao presidente contra Fernández.”

Para Ignacio Labaqui, da Universidade Católica de Buenos Aires, com menos de três meses para a eleição, Macri terá pouco tempo para oferecer uma melhora na economia.

Além disso, o foco na campanha também não possibilita que o presidente se concentre na crise. “As turbulências financeiras provocadas pela vitória de Fernández jogam contra Macri”, resumiu./ Com EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.