AFP PHOTO / MATTHIEU ALEXANDRE
AFP PHOTO / MATTHIEU ALEXANDRE

Macron avança nas pesquisas e se define como candidato presidencial ‘progressista’ na França

Em comício realizado em Lyon, centrista defendeu que país se transforme em uma ‘terra de inovação’ ao facilitar o trabalho e fortalecer a ideia de ‘liberdade, igualdade e fraternidade’

O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2017 | 19h16

PARIS - O centrista Emmanuel Macron, um dos candidatos às eleições presidenciais francesas que mais avança nas pesquisas, se definiu neste sábado, 4, como "progressista" em um comício na cidade de Lyon para mais de 16 mil pessoas.

"Não digo que a esquerda e a direita já não signifiquem nada, (...) mas nos momentos históricos, estas divisões são intransponíveis?", questionou o candidato de 39 anos que foi ministro da Economia durante a presidência de François Hollande. "Me reconheço como progressista, quero ser um europeu generoso e inovador", disse Macron.

O candidato defendeu ainda que a França se transforme em uma "terra de inovação", facilitando o trabalho e colocando novamente no centro da vida política a ideia de "liberdade, igualdade e fraternidade".

O comício de Lyon marca um ponto de inflexão na campanha de Macron, a menos de três meses do primeiro turno das eleições, em 23 de abril, segundo Richard Ferrand, secretário-geral do "En marche", seu movimento, fundado em abril de 2016 e definido como não sendo de direita e de esquerda.

"É o único candidato que diz que o amanhã não será pior do que hoje e as mudanças que enfrentamos não são sinônimo de desilusão", afirmou Guy Tremblay, de 49 anos, um dos presentes.

Macron foi um dos protegidos de Hollande, até que se demitiu do cargo de ministro em agosto de 2016 e decidiu se apresentar como candidato presidencial. Seus detratores criticam sua falta de programa, embora seu movimento assegure que este ainda está sendo elaborado e dentro de alguns dias apresentará suas propostas econômicas. / AFP

Mais conteúdo sobre:
França Eleições Paris Emmanuel Macron

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.