EFE/EPA/LUDOVIC MARIN / POOL
EFE/EPA/LUDOVIC MARIN / POOL

Macron defende novas sanções mais duras contra a Venezuela

Segundo presidente francês, o governo bolivariano entrou em uma “deriva autoritária” depois da instalação da Assembleia Nacional Constituinte no ano passado

O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2018 | 18h47

PARIS - O presidente da França, Emmanuel Macron, disse nesta sexta-feira, 26, ser favorável a novas sanções da União Europeia contra a Venezuela, menos de uma semana depois de o bloco aplicar punições contra a cúpula chavista.

Para entender: A Venezuela em cinco crises

Segundo Macron, o governo bolivariano entrou em uma “deriva autoritária” depois da instalação da Assembleia Nacional Constituinte no ano passado. 

“Optamos por sanções individuais, que têm um impacto limitado”, disse Macron em reunião com o presidente argentino, Mauricio Macri. “Podemos ir além se levarmos em conta as decisões recentes.”

Na madrugada de hoje, o governo venezuelano decidiu barrar a coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) das eleições deste ano, antecipadas para o primeiro trimestre. 

Em resposta às sanções, Caracas declarou persona non grata o embaixador espanhol na Venezuela. Madri tomou medida recíproca com o representante venezuelano. /AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.