REUTERS/Philippe Wojazer
REUTERS/Philippe Wojazer

Macron diz a May que ainda há tempo para reverter o Brexit

'Do ponto de vista europeu, enquanto as negociações não acabarem, ainda há uma possibilidade de mudança de curso', afirma o presidente francês

O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2017 | 16h21

PARIS - Em reunião com a primeira-ministra britânica, Theresa May, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse nesta terça-feira, 13, que enquanto a saída do Reino Unido da União Europeia não for concluída há espaço para uma mudança que mantenha o país no bloco. 

As declarações de Macron foram dadas menos de uma semana depois da derrota política de May na eleição britânica, na qual o Partido Conservador perdeu a maioria no Parlamento e agora negocia um governo de minoria. 

Ao lado de May, Macron ressaltou que a opção pelo Brexit foi feita pela vontade popular em referendo no ano passado. "Eu respeito a soberania do povo britânico. "Mas do ponto de vista europeu, enquanto as negociações não acabarem, ainda há uma possibilidade de mudança de curso."

May, que está sob pressão após antecipar as eleições para fortalecer seu capital político nas negociações sobre o Brexit, disse que as conversas devem começar na semana que vem.

 "Encontraremos um acordo que seja interessante ao Reino Unido e aos países-membros da UE", disse. 

À frente de um governo de minoria, ainda que respaldada momentaneamente pelo Partido Conservador, May pode ter dificuldade para aprovar o acordo no Parlamento, no qual os partidos pró-Europa ganharam força na eleição. 

Ela precisa do apoio do Partido Unionista Democrático (DUP) para conseguir governar, mas a legenda conservadora norte-irlandesa vê com ressalvas a ideia de May de um "Brexit" duro, com ruptura total migratória, alfandegária e econômica.

Desde o referendo, a posição predominante entre os líderes europeus, especialmente a chanceler alemã, Angela Merkel, é que o uma vez decidido o Brexit, não haveria concessões ao Reino Unido. / AP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.