AFP PHOTO / POOL / Christophe LICOPPE
AFP PHOTO / POOL / Christophe LICOPPE

Macron diz que conversas com Trump são como salsichas: melhor não saber o que tem dentro

Durante uma entrevista coletiva, Macron foi questionado sobre uma reportagem de segunda-feira da CNN dizendo que uma ligação entre o líder francês e Trump na semana passada foi 'terrível'

O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 20h38

PARIS  - O presidente francês, Emmanuel Macron, disse nesta terça-feira, 5, que suas ligações telefônicas com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e outros líderes mundiais são como salsichas: melhor não explicar o que tem dentro.

Durante uma entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro israelense, Byniamin Netanyahu, Macron foi questionado sobre uma reportagem de segunda-feira da CNN dizendo que uma ligação entre o líder francês e Trump na semana passada foi “terrível”.

+ Árvore que Trump e Macron plantaram na Casa Branca desaparece

Emprestando uma citação famosa do estadista prussiano do século 19 Otto von Bismarck, Macron resumiu sua política de evitar fazer comentários em off sobre suas conversas com outros líderes mundiais.

“Como Bismarck costumava dizer, se explicarmos às pessoas como salsichas são feitas, é improvável que continuassem a comê-las”, disse Macron a repórteres. “Então eu gosto quando as pessoas veem o prato terminado, mas eu não estou convencido de que o comentário da cozinha ajuda a entregar o prato ou a comê-lo”, acrescentou Macron.

Uma nota da presidência francesa sobre a ligação entre Macron e Trump na semana passada disse que o presidente francês havia dito a Trump que sua decisão de impor tarifas sobre exportações de aliados dos EUA era tanto “ilegal” quanto “um erro”.

Um comunicado mais curto da Casa Branca sobre a ligação disse que a conversa havia sido focada em comércio e imigração, sem mais detalhes.

“Macron pensou que poderia falar o que estava pensando, com base no relacionamento. Mas Trump não aguenta ser criticado deste jeito”, teria dito uma fonte não identificada segundo a CNN. “Apenas ruim. Foi terrível”. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.