EFE/ Ian Langsdon
EFE/ Ian Langsdon

Fogo em Notre-Dame: Macron, Merkel e Trump lamentam incêndio na catedral

Líderes mundiais comentam destruição causada pelas chamas que consumiram um dos principais pontos turísticos

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2019 | 16h03

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a chanceler alemã, Angela Merkel, foram os primeiros líderes mundiais a lamentar o incêndio que consome a Catedral de Notre Dame, em Paris, um dos principais pontos turísticos da Europa.

"Horrível de ver", disse o republicano, que recomendou que os bombeiros usem aviões para combater o fogo.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse sentir "a dor de toda uma nação".  "Meus sentimentos a todos os católicos e todos os franceses. Estou triste. Essa noite queima uma parte de nós", disse Macron. 

Já Merkel considerou a catedral é um símbolo da França e da cultura europeia. "Essas imagens doem. Nossos pensamentos estão com nossos amigos franceses", disse Merkel sobre o fogo que consome a catedral por meio de um porta-voz. 

“Um terrível incêndio está em curso na Catedral de Notre Dame. Os bombeiros estão combatendo as chamas”, disse a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, em sua conta no Twitter. “Estamos em contato com a Diocese de Paris e peço que a população respeite o perímetro de segurança.”

 Macron também cancelou um discurso que faria nesta tarde sobre a crise dos "coletes amarelos" - manifestantes contrários a seu governo que há meses tomam as ruas do país em protestos - em virtude do incidente.

Fogo consome Catedral de Notre-Dame

Segundo o Corpo de Bombeiros, o fogo pode estar relacionado a obras de restuaração que estavam sendo feitos no edifício, que começou a ser construído em 1163.  A polícia de Paris, no entanto, diz que é cedo para identificar as causas do incêndio e não há registro de vítimas.

A Promotoria anunciou a abertura de uma investigação para determinar as circunstâncias do incêndio, que começou às 18h30 locais (13h30 em Brasília).

"Agora começamos uma missão de tentar salvar as preciosas obras de arte e estamos dando prioridade de ampliar a segurança nas imediações para proteger os turistas e os vizinhos dos riscos de desmoronamento", acrescentou o vice-prefeito a um canal de TV. 

Diocese de Paris disse que o incêndio destruiu a parte mais antiga da igreja, cuja maior parte do material era de madeira, entre eles o pináculo central. 

"Não vai sobrar nada da estrutura (do teto), que data do século 19 de um lado e do 13 de outro", disse o porta-voz da catedral, André Finot

/ AFP, AP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.