AFP / Patrick KOVARIK
AFP / Patrick KOVARIK
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Macron ocupa espaços

Líder francês propõe mudanças na UE no momento em que Merkel negocia coalizão

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2017 | 03h00

No domingo passado, comecei a coluna lembrando a frase do início do século 19 do diplomata austríaco (nascido na Alemanha) Klemens von Metternich: “Quando a França espirra, a Europa pega um resfriado”. Eu dizia que a Alemanha, “motor da Europa”, assumiu esse lugar antes destinado à França. Isso continua sendo verdade, mas com novas nuances.

Em seguida ao resultado da eleição alemã do domingo, da qual Angela Merkel saiu com a tarefa de costurar uma coalizão mais problemática do que a que ela encabeçou nos últimos quatro anos, o presidente francês, Emmanuel Macron, lançou-se ao papel de novo líder da Europa.

Calçado na sua convincente eleição em maio e na sólida maioria que conquistou em junho na Assembleia Nacional com seu recém-criado partido Republicanos em Movimento (350 das 577 cadeiras), Macron apresentou, em um discurso na Universidade Sorbonne, uma pauta para o aprofundamento da União Europeia (UE) até 2024.

O líder centrista francês propôs um ministro das Finanças, um Parlamento e um orçamento para os 19 países da zona do euro (do total de 28 da UE). Ele defendeu também um orçamento e uma política comuns de defesa, com uma força militar, que deve entrar em operação em 2020, e um serviço de inteligência europeu para combater o terrorismo.

Além disso, Macron falou em reforçar as fronteiras externas do bloco contra fluxos imigratórios descontrolados, centralizar a administração da imigração e a concessão de asilo; unificar o imposto sobre transações financeiras, as políticas para energias renováveis e os incentivos à inovação digital.

A reação de Merkel refletiu sua condição política, de quem está tateando o terreno das negociações para a formação de um novo governo, que poderão levar meses. Seu porta-voz disse que ela viu com bons olhos o fato de o presidente francês falar com “tanta paixão europeia”, e “apresentar muita substância para o debate essencial sobre o futuro da Europa”. Mas ponderou que “é muito cedo para uma avaliação detalhada” de suas propostas.

Em linhas gerais, a chanceler alemã compartilha essas ideias. O problema é que o Partido Social-Democrata, seu aliado na coalizão dos últimos quatro anos, anunciou que irá para a oposição. O Partido Liberal-Democrata (FDP), candidato natural a compor a nova coalizão, é contra o aumento da centralização do poder na Europa. 

A dificuldade de Merkel é ainda maior porque o apoio do FDP não é suficiente para formar governo: ela precisa também atrair os Verdes, que têm visões diferentes de seus outros dois eventuais parceiros. De maneira que Merkel está de mãos atadas. Macron aproveitou para ocupar o vazio de liderança deixado por ela.

A ascensão de Macron no cenário europeu coincide também com o esforço da primeira-ministra britânica, Theresa May, em preparar uma saída suave da UE. Em pronunciamento em Florença na sexta-feira retrasada, May pediu mais dois anos para concluir a retirada britânica, estendendo as regras atuais de livre-comércio, circulação de pessoas, etc., de 2019 para 2021. Londres se propõe a pagar nesse período os € 20 bilhões cobrados pela UE como conta de saída, que equivalem mais ou menos ao custo da permanência no bloco.

O recuo reflete a situação de desvantagem britânica, no momento em que a economia europeia volta a crescer com mais robustez, enquanto o Reino Unido tem sua nota de crédito rebaixada pela agência de avaliação de risco Moody’s. Nada como um dia após o outro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.