EFE/Fernando Villar
EFE/Fernando Villar

Madri e Barcelona vão aliviar lockdown a partir de segunda

Duas cidades mais populosas da Espanha foram as mais afetadas pela pandemia; reabertura terá regras rígidas

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2020 | 12h54

MADRI E BARCELONA - Com fortes restrições, Madri e Barcelona poderão reabrir museus, hotéis e a área externa de bares e restaurantes a partir da próxima semana. Cerca de 22 milhões de espanhóis serão beneficiados com o afrouxamento do distanciamento social no país, que vai prever ainda abertura de de praias, piscinas e até teatros. Agora, todo o país estará pelo menos na segunda fase do plano de saída do bloqueio.

A medida nas duas cidades mais populosas da Espanha - e as mais atingidas pela pandemia - segue o que metade do país já havia feito há duas semanas, anunciou o governo espanhol nesta sexta. A reabertura será realizada com restrições de capacidade para continuar controlando o avanço da covid-19, que até o momento já causou cerca de 28 mil mortes na Espanha.

O limite nos restaurantes será de 50% das mesas, nas quais podem se juntar apenas 10 pessoas. Museus vão reabrir com um terço da capacidade. Nos hotéis, áreas de eventos, piscinas e academias estarão fechadas. Centros comerciais só podem voltar a funcionar com 40% do público.

Esta semana, tanto em Madri como em Barcelona, alguns pequenos comércios reabriram. Os habitantes de ambas as cidades também poderão viajar para municípios próximos, embora "a mobilidade entre províncias não seja permitida no momento", esclareceu o ministro da Saúde Salvador Illa em entrevista coletiva. 

Outras áreas do país, como as ilhas de Mallorca, Ibiza, Tenerife e Gran Canaria, poderão ter piscinas reabertas com capacidade máxima de 30% e em horários reduzidos. Nas praias, haverá distância entre pessoas e grupos de pelo menos dois metros. Também se encontram nessa fase cidades como Sevilla, Zaragoza, Bilbao, Huelva e Cádiz - todas com praias. 

O país continua de sobreaviso até pelo menos 6 de junho. É uma forma de o governo restringir mais a liberdade de movimento, reuniões e controlar a propagação do vírus. "Precisamos ter disciplina social", disse a porta-voz do governo, María Jesús Montero. Nesta quinta, o uso de uma máscara em espaços abertos e fechados, incluindo lojas, foi declarado obrigatório./ AFP e Reuters 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.