EFE/PRENSA MIRAFLORES
EFE/PRENSA MIRAFLORES

Maduro adia instalação da Constituinte para sexta

Previsão inicial era para quinta-feira; segundo o presidente, ainda está pendente a proclamação de 35 constituintes

O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2017 | 22h16

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quarta-feira, 2, que a instalação da Assembleia Constituinte, prevista inicialmente para quinta-feira, foi adiada para a próxima sexta.

"Foi proposto que a instalação da Assembleia Nacional Constituinte seja feita, em vez de na manhã de quinta-feira, em paz, com tranquilidade e com todo o protocolo necessário, na próxima sexta-feira às 11 da manhã", disse Maduro em um ato com os constituintes eleitos no domingo passado.

A Constituinte tomará posse no Salão Elíptico do Parlamento, controlado pela oposição e que se reúne no hemiciclo do Palácio Legislativo. 

Maduro explicou que ainda está pendente a proclamação, por parte do poder eleitoral, de 35 constituintes do total de 545 membros da Assembleia encarregada de reformular a Carta Magna de 1999.

O adiamento pretende "afastar as ameaças porque queremos que tudo ocorra em paz", afirmou Maduro.

O presidente rejeitou a denúncia da empresa Smartmatic, que deu suporte tecnológico à eleição para a Constituinte, de que o número de eleitores foi manipulado pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

"Este processo não tem mancha porque foi transparente", declarou Maduro, que atribuiu a denúncia da empresa de informática a uma "reação do inimigo internacional". Maduro pediu ao CNE que "termine 100% a auditoria" para afastar qualquer dúvida.

Smartmatic afirma que "a diferença entre o número de eleitores anunciado e o que mostra o sistema é de, ao menos, um milhão".

O presidente avaliou que dois milhões de pessoas não puderam votar por ações violentas da oposição, que boicotou o processo de eleição dos constituintes.

O número de eleitores era chave para a legitimidade da Constituinte, após a oposição assegurar que obteve 7,6 milhões de votos contra em um plebiscito simbólico celebrado no dia 16. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.