EFE/PRENSA MIRAFLORES/USO EDITORIAL/NO VENTAS
EFE/PRENSA MIRAFLORES/USO EDITORIAL/NO VENTAS

Maduro alerta militares após notícia de que Trump defendeu possibilidade de invadir a Venezuela

Presidente venezuelano pediu apoio das Forças Armadas e afirmou que notícias sobre reuniões do líder americano provam que Washington deseja tomar o poder das reservas de petróleo venezuelanas

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 12h18

CARACAS - O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu apoio aos militares e os orientou a "não baixar a guarda" após a imprensa internacional noticiar que o presidente americano, Donald Trump, avaliou a possibilidade de invadir a Venezuela em 2017. "Não podem baixar a guarda nem por um segundo, porque defenderemos o maior direito de nossa pátria em toda a sua história", disse Maduro na noite dessa quarta-feira 4, durante cerimônia para a promoção de generais e almirantes.

+ Trump pressionou conselheiros sobre invasão na Venezuela, dizem funcionários de alto escalão

Maduro citou informações divulgadas pela imprensa americana de que Trump perguntou, em agosto, a vários assessores de política externa sobre a viabilidade de se invadir a Venezuela. O teor da reunião foi divulgado pela Associated Press. As perguntas foram feitas durante uma reunião sobre as sanções Washington contra Caracas, segundo informou a CNN, citando um funcionário de alto escalão do governo. "Os assessores de Trump rejeitaram vigorosamente a ideia, assim como vários líderes latino-americanos, que teriam dito ao presidente que não queriam ver uma invasão americana", revelou o canal.

+ Brasil não apoiaria ação militar na Venezuela, diz Aloysio

Para Maduro, os relatos provam a veracidade de suas denúncias de que Washington planeja atacar a Venezuela militarmente e tomar o poder de suas vastas reservas de petróleo. O presidente venezuelano afirmou que as Forças Armadas do país têm a "responsabilidade de estar preparadas para defender o território nacional sob qualquer condição". / AFP

+ Após sanções dos EUA, forças armadas da Venezuela realizam exercícios militares

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.