AFP PHOTO / JUAN BARRETO
AFP PHOTO / JUAN BARRETO

Maduro anuncia suspensão de racionamento elétrico decretado por seca

O governo também reduziu a jornada de trabalho dos funcionários públicos para apenas dois dias por semana, decretou as sextas-feiras livres para os estudantes e modificou o fuso horário

O Estado de S. Paulo

01 Julho 2016 | 22h52

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, informou nesta sexta-feira, 1º, que a partir da próxima segunda-feira, dia 4 , será suspenso o racionamento elétrico decretado em abril devido à seca no país.

"Anuncio que a partir da segunda-feira já fica sem efeito o plano de administração de carga e operará de maneira normal por 24 horas o serviço elétrico do país", disse Maduro em ato que liderava com simpatizantes na Praça Bolívar de Caracas.

O racionamento elétrico no país foi iniciado com cinco horários diferentes de quatro horas cada e era aplicado por zonas geográficas.

Em maio, o chefe de Estado indicou que o horário de racionamento passaria de quatro para três horas diárias porque a principal reserva de água e geração elétrica do país estava se recuperando.

O governo também reduziu a jornada de trabalho dos funcionários públicos para apenas dois dias por semana, decretou as sextas-feiras livres para os estudantes e modificou o fuso horário.

Maduro disse nesta sexta-feira que depois de passar "um primeiro semestre difícil", agora é possível garantir que a hidrelétrica se recuperou e se deram as "condições" para que "o serviço elétrico funcione de maneira natural".

"Estivemos a seis dias de um colapso, teríamos de apagar quase todo o país. Eu tinha medidas de emergência para evitar que isso fosse tão dramático e difícil", afirmou.

O líder venezuelano declarou que o povo precisa tomar consciência do consumo elétrico para que não ocorra uma situação similar e acrescentou que, para a Venezuela não atravessar novamente uma situação como esta, já iniciou a substituição de aparelhos de ar condicionado e lâmpadas econômicas. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.