Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Maduro falará sobre disputa com  Guiana e pede 'união militar'

Líder chavista promete defender demanda histórica sobre o Esequibo em discurso na Assembleia Nacional na quinta-feira

O Estado de S. Paulo

22 de junho de 2015 | 20h31

CARACAS -  O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta segunda-feira, 22, que apresentará à Assembleia Nacional na quinta-feira a posição de seu governo sobre a disputa territorial envolvendo a Guiana. Segundo o líder chavista, ele fará uma  convocação "à união militar" para defender o país.

"Vou como chefe de Estado e governo expor a posição oficia em defesa da demanda histórica sobre o Esequibo", disse Maduro em um ato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). "Pedirei a união nacional e o apoio de todo o país. Convocarei a união militar e a união cívico-militar para fefender a pátria."

O presidente ainda disse que defenderá a Venezuela com firmeza e clareza e pediu o apoio do povo e da Assembleia Nacional. No fim de maio, Maduro emitiu um decreto no qual estabeleceu de maneira unilateral a soberania venezuelana sobre as águas do Esequibo, onde, semanas antes, foram descobertas jazidas de petróleo. 

No dia 8, o governo da Guiana qualificou  de ilegal o decreto. Por meio de nota, o presidente David Granger prometeu chamar a atenção da comunidade internacional da disputa./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.