Carlos Garcia Rawlins/REUTERS
Carlos Garcia Rawlins/REUTERS

Maduro atribui prisão de deputado a suposto conluio da oposição com agentes 'corruptos'

Líder chavista não apresentou provas das acusações; na sexta-feira, Guaidó declarou que poderia assumir a presidência de forma interina porque Maduro 'usurpou' o cargo

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2019 | 17h05

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta segunda-feira, 14, que a prisão momentânea do líder opositor Juan Guaidó foi um "show midiático" promovido pela oposição e  agentes corruptos do Serviço Bolivariano de Inteligência com o intuito de prejudicá-lo.

O líder chavista não apresentou provas das acusações. Na sexta-feira, Guaidó declarou que poderia assumir a presidência de forma interina, por considerar que a posse de Maduro, no Tribunal Supremo de Justiça, constitui uma “usurpação”.

Segundo o presidente, houve uma "cooperação corrupta e traidora" entre membros do Sebin e da oposição . "Que coincidência", ironizou. "Uma câmera que grava o exato momento em que o deputado foi detido. Muito estranho!"

Ainda de acordo com Maduro, os envolvidos foram afastados. "É assim que vou atuar contra qualquer funcionário que traia seu dever", acrescentou. "Mão de ferro contra a corrupção! Sairemos mais fortes de cada show desses."

É a segunda vez em poucos dias que Maduro responsabiliza a oposição por problemas de seu governo. No sábado, o Hospital Universitário de Caracas ficou sem luz por várias horas. O presidente disse que o blecaute foi obra de "um ataque terrorista a mando da oposição". Especialistas do setor, no entanto, dizem que os apagões resultam da falta de investimento em infraestrutura e corrupção. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.