Palace/Handout via REUTERS
Palace/Handout via REUTERS

Maduro chama vice-presidente dos EUA de 'cobra venenosa'

Presidente venezuelano diz que cada vez que Pence abre a boca ele se sente mais forte

O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2018 | 00h02

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou nesta quarta-feira de "cobra venenosa" o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, que está em uma viagem pela América Latina centrada na crise do país caribenho.

"A cada vez que a cobra venenosa de Mike Pence abre a boca eu me sinto mais forte, mais claro de qual é o caminho, o caminho é nosso, é venezuelano, não é o que nos aponta Mike Pence", disse Maduro em um ato transmitido pela emissora de televisão estatal "VTV" por ocasião da entrega do Prêmio Nacional de Jornalismo.

"Não é o que ele diz que a Venezuela vai fazer, fracassado e derrotado Mike Pence. Sim, te derrotamos e vamos te derrotar onde esteja, para onde viaje, Mike Pence, a revolução bolivariana se torna cada vez mais forte", acrescentou o presidente venezuelano.

Pence disse nesta quarta-feira que o governo de Maduro é uma "ditadura brutal (que) debilitou a economia" e provocou um "êxodo em massa" de venezuelanos, durante sua visita a um albergue de refugiados em Manaus.

Além disso, na terça-feira pediu ao Brasil que "adote atitudes firmes contra o regime de Maduro", a quem acusou de fazer da Venezuela "um país pobre".

Maduro se defendeu indicando que seu país sofre uma "guerra econômica", uma tese do chavismo governante que atribui o pobre desempenho da sua economia a supostos atos de sabotagem orquestrados por opositores e pelos próprios Estados Unidos, e lembrando que na Venezuela foram realizadas 24 eleições nos últimos 19 anos.

Maduro também criticou a "complexada e racista" União Europeia, que esta semana impôs novas sanções contra 11 altos cargos do governo venezuelano, e afirmou que os países do bloco estão "de joelhos" diante do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.