Maduro chega à China após polêmica com EUA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chegou neste sábado a Pequim, numa visita oficial de quatro dias à China, após acusar os EUA de tentarem impedir que seu avião usasse espaço aéreo norte-americano para a realização da viagem.

Agência Estado

21 Setembro 2013 | 08h49

"Acabei de chegar à China para fortalecer a amizade e cooperação entre nossos dois países", afirmou Maduro, sucessor do ex-líder Hugo Chávez, morto em março, em um microblog chinês semelhante ao Twitter.

A visita ocorre em meio a tensões entre Washington e Caracas, que descreveu como "ofensiva" a suposta decisão dos EUA na última quinta-feira de não dar a Maduro permissão para o uso de seu espaço aéreo.

A Casa Branca negou ontem a acusação e disse que autoridades dos EUA trabalharam com a embaixada Venezuela para resolver a questão após não terem sido alertados da viagem com antecedência suficiente.

Washington também afirma que não negou a concessão de vistos para a delegação Venezuela que participa este ano da Assembleia Geral da ONU, outra alegação de Caracas.

Maduro, que ficará na China até terça-feira, vai se reunir com o presidente do país, Xi Jinping.

A cooperação econômica entre Venezuela e China cresceu muito nos últimos anos, após a assinatura de vários acordos bilionários para investimentos em petróleo, energia, setor de construção e indústrias de alta tecnologia.

A China já liberou mais de US$ 36 bilhões em empréstimos para a Venezuela, que detém as maiores reservas de petróleo do mundo. O pagamento dos empréstimos por Caracas é feito em grande parte com petróleo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
ChinaMaduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.