Maduro combate dissidência entre socialistas do governo venezuelano

Maduro enfrenta dilema ao preservar legado político de Chávez e retificar problemas econômicos

REUTERS

26 Julho 2014 | 11h06

O Partido Socialista, que ocupa atualmente o governo da Venezuela, deu início a um congresso de seis dias neste sábado com o presidente Nicolás Maduro, buscando aquietar linhas-duras que acreditam que o Estado está fracassando em enfrentar a corrupção ou consertar a economia.

É o terceiro congresso do partido desde sua formação em 2008, mas o primeiro sem o carismático fundador, o ex-presidente Hugo Chávez, que morreu no ano passado de câncer após liderar o país-membro da Opep por 14 anos.

"Esse congresso vai determinar o futuro da revolução nos próximos anos", disse Maduro antes da reunião, acrescentando que os 7,6 milhões de membros do partido enviaram cerca de 23 mil propostas a serem consideradas por 537 delegados.

Por força da personalidade, Chávez foi capaz de manter unido as facções rivais do partido, de ideólogos marxistas a autoridades militares e empresários pragmáticos.

Maduro, de 51 anos de idade, um ex-motorista de ônibus que tornou-se o vice-presidente de Chávez, tem sido incapaz de repetir o feito e enfrenta um dilema ao preservar o legado político de seu predecessor e ao mesmo tempo retificar crescentes problemas econômicos.

(Reportagem de Andrew Cawthorne)

Mais conteúdo sobre:
VENEUZELAMADURODISSIDNCIAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.