Palácio de Miraflores/via NYT
Palácio de Miraflores/via NYT

Maduro confirma contatos com governo Trump

Presidente venezuelano diz em rede de TV que há meses tem procurado uma forma de os EUA escutarem a Venezuela de verdade

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2019 | 00h19

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou nesta terça-feira contatos entre seu governo e altos funcionários de Washington para avaliar as propostas feitas pelo presidente americano, Donald Trump.

"Confirmo que há meses ocorrem contatos de altos funcionários do governo dos Estados Unidos, de Donald Trump, com o governo bolivariano que presido, sob minha expressa autorização, direta. Vários contatos, vários caminhos, para buscar solucionar este conflito", disse Maduro em rede nacional de rádio e TV.

"Não é novidade, há meses mantemos contatos. Assim como tenho buscado o diálogo na Venezuela, tenho procurado uma forma de o presidente Donald Trump escutar a Venezuela de verdade", declarou Maduro, denunciando que colaboradores do presidente americano "escondem a verdade e lhe vendem uma Venezuela de mentira". 

Trump revelou nesta terça-feira que seu governo mantém diálogos "de muito alto nível" com autoridades da Venezuela, embora Washington não reconheça a legitimidade de Maduro. Os EUA e mais de 50 países reconhecem Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, como presidente interino da Venezuela.

"Estamos em contato, estamos falando com vários representantes na Venezuela", disse Trump à imprensa, ao ser consultado sobre relatos de uma aproximação entre a Casa Branca e Diosdado Cabello, considerado o líder mais poderoso depois de Maduro. 

"Estamos ajudando a Venezuela tanto quanto podemos. Nos mantemos à margem, mas estamos ajudando. Precisa de muita ajuda. Há 15 anos, era um dos países mais ricos, agora é um dos países mais pobres".

"Não quero dizer quem, mas estamos falando de alguém de muito alto nível", acrescentou o presidente.

A agência americana Associated Press disse na segunda-feira, citando uma autoridade sênior dos EUA que não identificou, que Cabello se reuniu no mês passado em Caracas com uma pessoa em contato próximo com o governo Trump e que uma segunda reunião está sendo organizada. 

De acordo com a reportagem, as comunicações secretas com Cabello, chefe da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, e outras autoridades venezuelanas buscam aumentar a pressão sobre o governo de Maduro. 

Em uma entrevista coletiva na segunda-feira, Cabello negou as informações e as qualificou de "uma mentira" e "uma enorme manipulação". / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.