AFP PHOTO / Presidencia de Venezuela
AFP PHOTO / Presidencia de Venezuela

Maduro criará 'comando antigolpe' que será dirigido pelo vice-presidente

Objetivo do organismo, que deve ser oficializado na terça-feira, é 'acabar todos os vestígios do golpe de Estado oligárquico e de direita', afirmou o líder bolivariano em seu programa semanal de TV

O Estado de S. Paulo

09 Janeiro 2017 | 11h47

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou no domingo, 8, que criará um "comando antigolpe" que será liderado pelo vice-presidente-executivo, Tareck El Aissami, para "derrotar e acabar definitivamente com todos os vestígios do golpe de Estado oligárquico e de direita". A previsão é que esse novo organismo seja oficializado na terça-feira.

"Vou delegar a batalha contra o golpe de Estado a um comando especial antigolpe, pela paz e a soberania (...) que se dedique as 24 horas do dia a tomar as medidas preventivas, legais e corretivas contra todos os setores golpistas e terroristas em nível interno", disse Maduro em seu programa semanal de televisão.

O presidente venezuelano explicou que este comando tratará os supostos planos golpistas que existam "em nível político, nível econômico e em todo nível (...) para dar paz e estabilidade ao país".

Maduro detalhou que serão criados também subcomandos nas 24 entidades federais da nação sul-americana com participação das forças armadas, das forças policiais, do governo central "e de todas as forças patrióticas e revolucionárias do país".

Além disso, indicou que o comando central dependerá dele, mas estará liderado por Aissami, a quem designou como vice-presidente na quarta-feira passada, e estará integrado por várias autoridades militares e policiais.

Em novembro de 2015, Maduro já havia sugerido a seus partidários a criação do chamado "comando antigolpe" como uma forma de estar preparado "perante qualquer tentativa da direita para gerar caos e violência", um mês antes da inédita vitória que a oposição obteve nas eleições legislativas. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.