EFE/JASON SZENES
EFE/JASON SZENES

Maduro declara apoio a plano de paz com Assad

Líder venezuelano respalda criação de uma ampla coalizão internacional de combate ao terrorismo que inclua o presidente sírio

Cláudia Trevisa, ENVIADA ESPECIAL, NOVA YORK, O Estado de S. Paulo

29 Setembro 2015 | 20h29

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, manifestou ontem apoio à proposta do líder russo, Vladimir Putin, de criação de uma ampla coalizão internacional de combate ao terrorismo que inclua o presidente sírio, Bashar Assad. Em discurso na Assembleia-Geral da ONU, o venezuelano também criticou as guerras do Afeganistão, Iraque e Líbia e as apontou como a origem da turbulência que afeta Oriente Médio e Norte da África.

Ecoando as posições de Putin e do presidente iraniano, Hassan Rohani, Maduro se manifestou contra intervenções militares em outros países. “A Síria parece um filme de terror, desses que se faz em Hollywood”, declarou. No ano passado, os EUA e seus aliados iniciaram bombardeios a posições do Estado Islâmico. Putin sustenta que as ações violam as leis internacionais, por serem realizadas sem concordância de Assad e sem chancela da ONU. 

Maduro elogiou o presidente americano, Barack Obama, por sua “valentia” em restabelecer relações diplomáticas com Cuba. O presidente, no entanto, classificou de “conspiração” a decisão dos EUA de declarar a Venezuela como uma ameaça a sua segurança nacional em decreto que impôs sanções a sete autoridades do país acusadas de violação dos direitos humanos.

O líder de Caracas afirmou que o decreto é uma “espada de Dâmocles” contra seu país. O presidente observou que iniciou um diálogo com os EUA “no mesmo espírito de Cuba”.

Maduro também felicitou o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pelo avanço rumo a um acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia anunciado há uma semana. No mês passado, a Venezuela fechou a fronteira com o país vizinho e deportou milhares de colombianos.

Mais conteúdo sobre:
Maduro Venezuela Assad ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.