Marcelo Garcia/ Venezuelan Presidency / AFP
Marcelo Garcia/ Venezuelan Presidency / AFP

Maduro defende cloroquina e elogia médicos venezuelanos por produção do remédio no país

Em postagem no Twitter, líder chavista parabenizou profissionais da saúde que 'trabalham com amor para proteger a saúde da população'

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2020 | 15h52
Atualizado 15 de maio de 2020 | 17h34

CARACAS - O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, parabenizou pelo Twitter os funcionários das áreas científica e de saúde da Venezuela por proteger a saúde do povo e avançar na produção da cloroquina difosfato, medicamento que, segundo o chefe de Estado, seu país utilizará no tratamento da covid-19. A decisão de Maduro vai contra recentes estudos científicos que questionam a eficácia da cloroquina para o tratamento da covid-19 e apontam para efeitos colaterais.

O governo Maduro já havia mencionado o tratamento com a droga antes. Em 23 de março, o ministro da Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez, ao fazer um balanço sobre a quantidade de medicamentos disponíveis para atender à pandemia, demonstrou que a cloroquina estava entre eles. 

Em um comunicado, na época, o Ministério da Saúde explicou que o país já seguia protocolos para atender desde os casos mais leves até aqueles mais críticos, estabelecendo o uso terapêutico e combinado de medicamentos antivirais e contra a malária, como fosfato de cloroquina, hidroxicloroquina e remdesivir, entre outros.

O governo Maduro diz já ter conseguido conter a propagação do novo coronavírus no país, mas prorrogou o 'estado de alarme' decretado em 13 de março para até o dia 12 de junho. Os relatórios oficiais citam apenas 10 mortes pelo vírus no país, com apenas 455 casos de contágios. 

No entanto, ainda ontem, a Academia de Ciências Físicas, Matemáticas e Naturais da Venezuela entrou em confronto com o chavismo ao publicar um relatório científico sobre os casos de covid-19 no país, que põe em dúvida os números oficiais publicados até agora. A reação do governo veio em tom de ameaça.

"Li este artigo e li as referências, isto é um convite para que os órgãos de segurança do Estado convoquem estas pessoas. Estão causando alarme", disse o número 2 do chavismo, Diosdado Cabello, durante seu programa semanal.

Cabello, que também é presidente da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, colocou em dúvida o documento da academia, que também alerta para um possível cenário de emergência sanitária, com um pico de até 4 mil novos casos por dia de contágio de coronavírus em junho.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Segundo o relatório, a Venezuela tem um subregistro de casos sintomáticos que "no melhor dos casos poderia ser de 65% e no pior, de 95%" até 23 de abril.

"Os testes realizados até agora na Venezuela são insuficientes para estimar de forma adequada o tamanho real desta epidemia", destacou o estudo, que estimou em 5.969 as testagens realizadas no país - números que atribui ao Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários -, cerca de 213 por milhão de habitantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.