AFP PHOTO / JUAN BARRETO
AFP PHOTO / JUAN BARRETO

Maduro desloca cúpula chavista para Assembleia Constituinte na Venezuela

Domínio de aliados do presidente na Assembleia tem como objetivo fortalecer núcleo leal ao chefe de Estado frente à dissidência crescente

O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2017 | 05h00

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, aposta na candidatura de membros da cúpula chavista para concorrer à Assembleia Constituinte de 30 de julho, em uma votação que enfrenta um repúdio crescente de opositores e chavistas dissidentes. Analistas acreditam que o domínio de aliados do presidente na Assembleia tem como objetivo fortalecer núcleo do governo frente a crescentes ameaças de dissidência interna. 

Em meio a uma crise política e econômica, agravada por uma onda de protestos que já dura quase três meses, Maduro concluiu na quarta-feira as mudanças de gabinete para montar o time de candidatos à Constituinte, nas quais se destacam o deputado Diosdado Cabello - homem forte do governo -, a ex-chanceler Delcy Rodríguez e a mulher do presidente, Cilia Flores.

A Assembleia Constituinte é rechaçada pela procuradora-geral, Luisa Ortega, que a considera um ataque à democracia. Outras figuras de menor protagonismo dentro do chavismo veem o processo como uma violação da herança do presidente Hugo Chávez, idealizador da atual Carta venezuelana, de 1999. A oposição diz que a votação é uma fraude com o objetivo de manter Maduro no poder de modo ilegítimo.

“A Constituinte é para o PSUV, mas, sobretudo, para o ‘madurismo’. Mas ela será apenas um guia, uma desculpa para obter um maior poder de negociação, um refúgio para resistir”, diz o cientista político Michael Penfold.

Mas os analistas advertiram que a iniciativa de Maduro, além de intensificar a crise, pode agravar a fissura aberta pela procuradora.

“Provavelmente também acabará sendo uma manobra arriscada, um tiro que pode sair pela culatra”, acrescentou Penfold. “O governo está ameaçado na medida em que as divisões dentro do chavismo e da esfera militar se aprofundam.”

A coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) convocou os venezuelanos a desconhecer o governo e a Constituinte, e anunciou ontem o início da “fase decisiva” de sua ofensiva para retirar Maduro do poder, com uma marcha em apoio a Luisa Ortega, chavista confessa e hoje considerada traidora pelo governo.

A procuradora lidera um grupo de chavistas que sustenta que Maduro “está destruindo o legado” de Chávez. Ortega, que denunciou que a Justiça é usada para “perseguir a dissidência política”, enfrentará um possível julgamento depois que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) aceitou um recurso do deputado governista Pedro Carreño, que também pediu sua destituição por “insanidade mental’.

Além de Cabello, Rodríguez e Flores, também são candidatos a deputada e ex-ministra da Defesa Carmen Meléndez, o ex-vice-presidente Aristóbulo Istúriz e o ex-ministro e ex-governador Adán Chávez, irmão do presidente Chávez, morto em 2013. 

Cabello, vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), é mencionado por setores da oposição como o futuro presidente da Constituinte, com a qual ampliaria ainda mais a sua influência que, segundo os especialistas, já é vista no governo, nas Forças Armadas e nos aparatos de Segurança e de Inteligência.

A Constituinte regerá o país por um tempo indeterminado como um superpoder e será composta por 545 legisladores, que, segundo a oposição, serão eleitos por um sistema fraudulento que garantirá o controle pelo governo.

Maduro avança com seu projeto de Constituinte, que considera fundamental para devolver a estabilidade política e econômica ao país. 

“A Constituinte de Maduro foi feita como um terno sob medida, não vai resolver o problema das filas, nem do custo de vida, nem da insegurança”, disse ontem o opositor Julio Borges, presidente da Assembleia Nacional. /AFP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.