Maduro diz aceitar libertar líder opositor se EUA soltarem Rivera

Maduro diz aceitar libertar líder opositor se EUA soltarem Rivera

Líder venezuelano afirma que indulto a Leopoldo López ocorreria se americanos enviassem o porto-riquenho preso há mais de 30 anos

O Estado de S. Paulo

05 de janeiro de 2015 | 11h35


CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou no domingo que aceitaria conceder um indulto ao líder opositor Leopoldo López, preso há quase um ano, se os EUA libertassem o porto-riquenho Óscar López Rivera, condenado por conspiração.

Leopoldo López se entregou à Justiça em fevereiro de 2014 durante a onda de protestos contra o governo venezuelano. Ele foi acusado de incitação à violência, formação de quadrilha, danos à propriedade e incêndio.

"Só usaria meus poderes para colocá-lo (López) em um avião que vá para os EUA, deixá-lo lá e pedir que me enviem Óscar López Rivera", afirmou Maduro em um discurso exibido na TV.

Rivera é um militante independentista de Porto Rico, ilha que mantém status de Estado Livre Associado aos EUA. Ele foi condenado a 70 anos de prisão - e já cumpriu 33 - por colocar várias bombas nos EUA.

Em 1999, Rivera negou um indulto presidencial oferecido por Bill Clinton e foi considerado por seus partidários um preso político.

Em um encontro recente com Maduro, o vice-presidente americano, Joe Biden, pediu que o líder venezuelano libertasse os presos políticos. Maduro afirmou que "soltar o monstro de Ramo Verde", em referência ao nome do presídio onde está Leopoldo López, era um "assunto nacional".

Caracas nega manter presos políticos e afirma que os políticos presos estão detidos por violações à lei. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.