WALTER PACIELLO
WALTER PACIELLO

Maduro diz que Venezuela está ‘em batalha’ para salvar Mercosul da ‘tríplice aliança’

Chavista afirmou que pode demonstrar aos países fundadores do bloco que Caracas tem cumprido mais acordos e implementado mais mecanismos que os outros membros

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2016 | 08h56

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na terça-feira que seu país "se declara em batalha" para salvar o Mercosul da chamada "tríplice aliança", formada por Argentina, Brasil e Paraguai, ao mesmo tempo em que agradeceu ao Uruguai pela "força moral".

"A Venezuela está na batalha para salvar o Mercosul da tríplice aliança de extrema-direita que pretende destruir o bloco, e agradeço ao presidente Tabaré Vázquez, ao povo do Uruguai por toda a força moral que demonstraram", disse.

O presidente fez as declarações em seu programa de rádio e televisão "Em contato com Maduro", no qual também afirmou que pode demonstrar aos países fundadores do Mercosul que a Venezuela tem cumprido mais acordos e implementado mais mecanismos que os outros membros do bloco.

Maduro afirmou ser um "escândalo" que o governo brasileiro tenha tentado "em vão e de maneira ilegal" pressionar o Uruguai para que integrasse à "tríplice aliança" com o objetivo de retirar a Venezuela da presidência do Mercosul.

O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela divulgou na segunda-feira um comunicado em que afirma que os governos da Argentina, do Brasil e do Paraguai não respeitam as normas do Mercosul e persistem em "violar os tratados fundadores" do bloco.

Veja abaixo: Maduro transfere portos ao controle do Exército

O chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, teria dito diante de uma comissão parlamentar que o Brasil quis "comprar o voto" de seu país para que se posicionasse contra a transferência da presidência do Mercosul para a Venezuela.

O ministro brasileiro José Serra disse ter recebido com "profunda insatisfação e surpresa" as declarações de seu colega uruguaio. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.