Maduro e Capriles são candidatos, dizem analistas

Indicado por Chávez como sucessor, presidente interino teria como adversário o principal líder opositor em nova eleição presidencial na Venezuela

GUILHERME RUSSO, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2013 | 02h12

Ao nomear Nicolás Maduro seu sucessor - antes de embarcar para Cuba pela última vez, no início de dezembro -, o presidente Hugo Chávez fez com que seus partidários superassem divisões internas, o que unificou os chavistas em torno de um único nome para disputar as eleições presidenciais convocadas em razão da ausência do líder. Em resposta, a oposição também tenta evitar fragmentações.

Analistas políticos venezuelanos concordam que não haverá surpresas quanto aos candidatos à presidência, explicando que a indicação de Chávez é "incontestável" e o resultado obtido por Henrique Capriles na disputa presidencial que perdeu em 7 de outubro - mas obtendo quase 45% dos votos - e sua posterior vitória na votação que o elegeu governador do Estado de Miranda garantem que ele seja o candidato "lógico" da oposição.

"Dentro de todo movimento político há tensões, lutas, disputas - porque, senão, isso não seria política. No entanto, no caso do chavismo, com a morte de Chávez, é como se houvesse morrido o pai da família. Todos os irmãos, ainda que estejam brigados, se juntam e a família fica unida e muito sólida. Como o presidente teve a inteligência de, antes de se submeter à última cirurgia, pedir votos para Maduro, na possibilidade de sua ausência, deixou tudo muito claro para os chavistas", disse o cientista político Oscar Reyes, consultor da oficialista VTV.

Na opinião do analista e do diretor do instituto de pesquisas Datanálisis, Luis Vicente León, os mais de 6,5 milhões de votos obtidos por Capriles na última eleição presidencial o tornam o mais provável candidato da oposição. León lembrou que, entre os antichavistas, o governador de Miranda tem 72% de apoio. "Seria irreal que ele não fosse o candidato", disse o chefe do centro de sondagens eleitorais.

Reyes alertou, porém, que, caso queira conquistar a presidência da Venezuela, Capriles teria de mudar seu discurso. "Entre o povo venezuelano, nem ricos nem pobres querem se submeter a um pacote neoliberal", disse Reyes, sugerindo que o opositor deveria apresentar um programa social-democrata.

"Seja quem for, o vencedor não terá como evitar três questões: o combate à violência, a dependência do petróleo e o fortalecimento da indústria", disse Reyes.

Semelhança. O cientista político Sadio Garavini di Turno, da Universidade Central da Venezuela (UCV), vê outro problema em comum entre chavistas e opositores, uma vez que qualquer uma das partes assuma a presidência. Para o analista, a união que ambos os lados tentam consolidar internamente tende a se dissipar durante o governo. "Mas isso é especulação", disse. O analista afirmou que, graças ao apelo emocional da morte de Chávez, Maduro tem uma "clara vantagem" na disputa pela presidência da Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.