Maduro e Fidel relembram Chávez em encontro em Cuba

O presidente eleito da Venezuela, Nicolás Maduro, encontrou-se com o ex-presidente de Cuba Fidel Castro neste sábado, 27, o que representa uma indicação de que o novo líder venezuelano manterá as mesmas relações próximas com o país comunista que o seu antecessor, Hugo Chávez, que morreu no mês passado após uma batalha contra o câncer. "Nós estivemos com Fidel por cinco horas, relembrando o gigante (Chávez)", disse Maduro, em sua conta oficial no Twitter.

GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

28 de abril de 2013 | 12h25

Antes de embarcar para Havana, Maduro disse que a visita oficial à Cuba visava a criação de uma aliança estratégica que o presidente venezuelano definiu como uma "nova fase" da cooperação entre os dois países, em áreas como educação e saúde. Chávez era um aliado muito próximo de Cuba e amigo pessoal de Fidel Castro, que por problemas de saúde abriu mão da presidência de Cuba para dar lugar ao seu irmão, Raúl castro.

Maduro tomou posse oficialmente no dia 19 de abril, depois de uma estreita vitória sobre o candidato da oposição Henrique Capriles em uma eleição organizada rapidamente após a morte de Chávez, que liderou a Venezuela por mais de 14 anos. Capriles disse que fraudes comprometeram o resultado das eleições e pediu a recontagem dos votos, mas as autoridades eleitorais resistiram a uma ampla avaliação dos votos.

As mensagens de Maduro pelo Twitter de Maduro incluíam uma foto na qual ele aparecia em um carro com Fidel, de 86 anos, saudando apoiadores do outro lado da rua. O presidente disse que Castro visitou alguns venezuelanos com sérios problemas de saúde que recebem tratamento com médicos cubanos em Havana.

A Venezuela, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, envia cerca de 130 mil barris por dia para Cuba. Como parte do retorno, o regime de Havana fornece dezenas de milhares de médicos, enfermeiras e outros profissionais da área para programas de saúde socialistas do país latino-americano.

A visita de Maduro à Cuba foi a sua segunda viagem ao exterior desde que foi eleito, no dia 14 de abril. Na semana passada, ele voou até o Peru para encontrar outros líderes da América do Sul, onde assegurou o apoio nas eleições apesar das reclamações de fraude eleitoral por parte da oposição do país. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaCubaMaduroFidel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.