Reprodução
Reprodução

Maduro envia blindados para fronteira com Brasil, diz deputado opositor

Américo De Grazia, parlamentar da Assembleia Nacional, publicou fotos em sua conta no Twitter de veículos militares atribuídos ao governo chavista na cidade de Santa Elena de Uairén, a 12 km da fronteira com o Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2019 | 12h00

CARACAS - O deputado opositor venezuelano Américo De Grazia, parlamentar da Assembleia Nacional, controlada pela oposição, afirmou em sua conta no Twitter que o presidente Nicolás Maduro enviou veículos militares blindados para a cidade de Santa Elena de Uairén, a 12 km da fronteira com o Brasil, para evitar a entrada de ajuda humanitária no país a partir da cidade de Pacaraima, em Roraima.

"O usurpador toma militarmente Santa Elena de Uairén para impedir a entrada de ajuda humanitária para os venezuelanos", escreveu de Grazia. "No entanto, os povos indígenas Pemones de La Gran Sabana, juntamente com o gabinete do prefeito e os cidadãos, tornarão a solidariedade uma realidade", completou.

No começo desta semana, o governo brasileiro afirmou que montará uma força-tarefa na fronteira com a Venezuela para ajudar na entrega de ajuda humanitária enviada pelos EUA e em coordenação com a oposição venezuelana.

Nesta quinta-feira, o chanceler Ernesto Araújo se reuniu com o governador de Roraima, Antonio Denarium (PSL), possilvelmente para discutir os detalhes do plano que o governo chamou nesta semana de "aproximação logística de Pacaraima".

Na semana passada, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou que seriam criados na Colômbia, no Brasil e na ilha caribenha de Curaçau centros de apoio para o envio de ajuda humanitária à Venezuela vinda de EUA, Europa e outras nações.

Além disso, Emilio González, prefeito de Gran Sabana, no Estado venezuelano de Bolívar, anunciou que a administração local fornecerá o apoio necessário para a ajuda possa entrar no país por meio de povos indígenas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.