REUTERS/Miraflores Palace
REUTERS/Miraflores Palace

Maduro nomeia presidente da PDVSA como novo ministro do Petróleo

Eulogio del Pino substituirá Asdrúbal Chávez - primo do ex-presidente Hugo Chávez -, que será candidato a deputado pelo PSUV nas eleições parlamentares marcadas para dezembro

O Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2015 | 12h25

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na madrugada desta quarta-feira, 19, a nomeação do atual presidente da companhia Petróleos de Venezuela (PDVSA), Eulogio del Pino, como novo ministro do Petróleo e da Mineração.

Del Pino, que substitui Asdrúbal Chávez no cargo, combinará sua nova ocupação com a de presidente da PDVSA, informou o chefe de Estado venezuelano durante seu programa de televisão e rádio "En Contacto con Maduro".

Maduro anunciou também a nomeação de Manuel Quevedo como novo ministro da Habitação, em substituição de Ricardo Molina, que, da mesma forma que Asdrúbal Chávez, se apresentará como candidato a deputado pelo governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) nas eleições legislativas do próximo dia 6 de dezembro.

Com a nomeação de Del Pino à frente do Ministério e sua manutenção na companhia petrolífera estatal se unificam novamente os dois cargos que tinham sido separados após a saída de Rafael Ramírez em setembro de 2014 e sua transferência à chancelaria, cargo que abandonou quatro meses depois.

Ramírez foi substituído então como titular de Petróleo por Asdrúbal Chávez, primo do falecido presidente venezuelano Hugo Chávez, que era até então vice-ministro dessa pasta.

Del Pino, que nesse momento era vice-presidente da PDVSA, passou a comandar a companhia petrolífera estatal, dirigida de 2002 a 2014 por Ramírez.

Após anunciar sua nomeação, Maduro destacou que Del Pino "faz parte de uma geração de especialistas petroleiros venezuelanos e mundiais". / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaNicolás MaduroPDVSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.