AFP PHOTO / JUAN BARRETO
AFP PHOTO / JUAN BARRETO

Maduro ordena retirada de circulação de notas altas de bolívar para tentar conter ‘máfias’

Presidente disse que decidiu adotar a medida depois que autoridades venezuelanas concluíram uma investigação por meio da qual foram descobertos milhões de bolívares em notas de 100 ‘em poder de máfias internacionais dirigidas da Colômbia’

O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2016 | 08h12

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, sancionou no domingo um decreto de emergência econômica, ordenando a retirada de circulação no país da cédula de maior valor (100 bolívares), em até 72 horas. Segundo ele, o objetivo é acabar com supostas "máfias" que armazenam milhões dessas notas na Colômbia.

"No uso das minhas faculdades constitucionais e por meio desse decreto de emergência econômica, decidi tirar de circulação os bilhetes de 100 bolívares nas próximas 72 horas", informou Maduro em seu programa de televisão.

O chavista explicou que decidiu adotar a medida após as autoridades venezuelanas concluírem uma investigação que descobriu milhões de bolívares em notas de 100 "em poder de máfias internacionais dirigidas da Colômbia".

Em meio à grave crise econômica e aos altos índices de inflação, a medida surge antes que comecem a circular no país novas cédulas e moedas com um valor que multiplica em até 200 o bilhete mais caro existente hoje. O governo espera que isso aconteça a partir de quinta-feira, com novas moedas de 50 e de 100 e bilhetes de 500 bolívares, para que, mais adiante, continuem chegando ao país os de 1.000, 2.000, 5.000, 10.000 e 20.000.

Atualmente, existem na Venezuela notas de 2, 5, 10, 20, 50 e 100 bolívares. A nota de 100 permite comprar apenas uma bala. Para comprar um hambúrguer, é preciso 50 notas dessas. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.