Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Maduro pede a Dilma ajuda contra crise econômica venezuelana

Com petróleo abaixo dos U$50, presidente venezuelano diz que pretende dinamizar a relação com Brasil ao nível máximo 

Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

02 de janeiro de 2015 | 11h27

 BRASÍLIA -  O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, aproveitou a reunião bilateral com a presidente Dilma Rousseff para pedir apoio econômico a seu país. Além de uma crise que já se arrasta há mais de um ano, a queda no preço do petróleo deixou a Venezuela em uma situação ainda mais difícil.  

Ao sair do encontro, Maduro afirmou que Brasil e Venezuela irão "dinamizar a relação ao nível máximo", retomando os encontros trimestrais instalados pelos ex-presidente Hugo Chávez e Luiz Inácio Lula da Silva. "Já estamos articulando com o Brasil para pleitear  um processo conjunto de industrialização bilateral, sobretudo na área tecnológica, afirmou Maduro. "Temos uma base muito bem construída de confiança política. Foi uma reunião muito auspiciosa". 

Maduro disse também que a conversa tratou dos preços do petróleo no mercado internacional, que tem prejudicado muito a economia venezuelana. O presidente confirmou que deve anunciar nos próximos dias medidas econômicas para incentivar o investimento é reorganizar as cadeias produtivas venezuelanas, mas não deu mais detalhes. As medidas estão sendo prometidas desde julho deste ano, quando,  no Congresso do PSUV,  partido do governo, Maduro foi eleito seu presidente, em um sinal de apoio às reformas necessárias. Até agora, no entanto, pouco foi feito. 

Entre as medidas esperadas estão uma mudança no regime cambial, que tem três bandas diferentes, além do câmbio negro, e o aumento do preço da gasolina, apontado como essencial pelo próprio Maduro, mas adiada. A cesta venezuelana do petróleo está cotada neste começo de ano abaixo dos US$ 50. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.