AP Photo/Ariana Cubillos, File
AP Photo/Ariana Cubillos, File

Maduro se exalta ao criticar OEA e diz que agora país está ‘livre’ da entidade

Para presidente chavista, Organização dos Estados Americanos promove campanha para intervir no país sob orientação dos EUA

O Estado de S.Paulo

28 Abril 2017 | 07h53

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, se exaltou ao manifestar seu orgulho com a saída do país da Organização dos Estados Americanos (OEA) e qualificou a entidade de “intervencionista”.

"¡La OEA, p'al carajo!" (“A OEA, para o c******!)”, disse o líder chavista, qualificado de “ditador” pelo secretário-geral da organização, Luis Almagro. "Tenho orgulho de dizer (...) que tomei a decisão de retirar nossa pátria da OEA, de libertar nossa pátria do intervencionismo (...). Estamos livres da OEA e jamais voltaremos!”

A Venezuela anunciou na quarta-feira sua saída da entidade em função de o Conselho Permanente da instituição ter convocado uma reunião de chanceleres para avaliar a grave crise política no país. "Não reconhecemos qualquer reunião, qualquer decisão da OEA”, ressaltou Maduro.

“Fora OEA da Venezuela! A Venezuela se respeita e vamos nos fazer respeitar", disse o presidente para uma concentração de mulheres chavistas nos arredores do palácio presidencial de Miraflores. "Um secretário-geral absolutamente humilhado, sem vergonha, que está a serviço da política imperial como nenhum outro secretário-geral em 70 anos de existência da OEA. Luis Almagro é uma vergonha para a América Latina."

Segundo Maduro, a OEA promove uma campanha para "intervir na Venezuela" sob a orientação de Washington. "Digo ao imperialismo: Já basta. Não se metam mais com a Venezuela", afirmou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.