Maduro troca sete ministros, mas mantém equipe econômica

Presidente não altera rumos da economia nem muda segurança pública para combater a criminalidade urbana

AP e EFE, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2014 | 02h04

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou ontem uma reforma ministerial e nomeou novos chefes para as pastas da Educação, Educação Universitária, Indústrias, Juventude, Esporte, Trabalho e para a Secretaria da Presidência.

Os ministérios da área econômica e de segurança pública, diretamente ligados aos dois principais problemas nacionais apontados pelos venezuelanos, não sofreram mudanças. Segundo o presidente, as trocas são "necessárias" para o país.

Mais cedo, o presidente tinha anunciado por meio de sua conta no Twitter que todos os ministros de seu governo haviam colocado seus cargos à disposição dele para uma eventual reforma. "Agradeço a tod@s @s ministr@s (sic) pelo esforço e pela lealdade que têm demonstrado nestes tempos de revolução", escreveu no microblog.

Quando assumiu o cargo, em abril, Maduro trocou dez ministros em relação ao governo de Hugo Chávez.

Ao longo de 2013, fez mudanças em pastas como Interior, Finanças e Comércio.

Ex-miss. O Ministério Público da Venezuela apresentou ontem sete suspeitos da morte da ex-miss Mónica Spear e seu marido, Henry Berry, vítimas de um crime que chocou o país nos últimos dias e provocou até um raro gesto cordial entre o presidente Nicolás Maduro e o líder da oposição Henrique Capriles.

Entre os suspeitos, estão dois menores de idade e uma mulher. Eles compareceram ontem a uma audiência em Puerto Cabello, no Estado de Carabobo.

Os suspeitos maiores de idade foram identificados como Jean Carlos Colina Alcalá, Alejandro Maldonado Pérez, Adolfo Rico Agreda, Leonar Marcano Lugo e Eva Armas Mejías. Durante a operação, foram apreendidos diversos objetos roubados no crime, entre eles uma câmera fotográfica da atriz.

Maduro disse acreditar que o crime foi fruto da ação de "capangas" e prometeu perseguir os responsáveis "com mão de ferro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.