Maduro vai auditar setor alimentício

Governo de Caracas anuncia implantação de medidas para, entre outros objetivos, fortalecer e melhorar a produção agrícola

CARACAS, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2014 | 02h04

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, aprovou no sábado a realização de uma auditoria em todas as empresas que receberam licenças de importação do Ministério da Alimentação.

Segundo Maduro, citado pelo jornal El Universal, a auditoria será feita por meio do Centro Nacional de Comércio Exterior (Cencoex) e do Serviço Nacional Integrado de Administração Aduaneira e Tributária (Seniat) para verificar se as empresas importadoras de alimentos e matérias-primas estão evitando o contrabando e extravio de produtos.

Além disso, o presidente venezuelano anunciou a criação de uma empresa produtora, distribuidora e comercializadora de alimentos, a Corpo Pdv-Mercal, que reunirá toda a rede estatal. Assim, o governo sobe a meta de distribuição de alimentos de 130 mil toneladas para 200 mil toneladas por mês.

As medidas, que foram anunciadas após uma reunião de Maduro com a equipe de Segurança e Soberania Alimentar, tentam garantir a soberania estatal no setor e melhorar o desenvolvimento produtivo do país para enfrentar a crise de escassez.

Durante o discurso para anunciar as medidas, o presidente lembrou que o sistema biométrico continua sendo testado e será implementado em breve, para "proteger o povo".

Em agosto, Caracas anunciou a adoção do sistema biométrico de monitoramento de compras de alimentos e itens básicos de consumo, previsto para começar a funcionar no país em 30 de novembro. O sistema, segundo o governo, não pretende regular a quantidade de produtos comprados, mas a frequência com que as compras ocorrem.

No sábado, Maduro também anunciou a aprovação de outras medidas negociadas no Vice-ministério da Soberania Alimentar. Uma delas é a criação de um gabinete especial, um braço da Superintendência de Preços Justos e dependente do Ministério da Alimentação, para fiscalizar e detectar possíveis irregularidades no sistema de alimentação.

Outra é o relançamento do Centro de Balanço de Alimentos (Cenbal), que receberá alertas sobre o desabastecimento e a produção.

Campo. O presidente venezuelano pediu que os grandes, médios e pequenos produtores trabalhem em conjunto e afirmou que fortalecerá o setor do campo. "Precisamos que vocês produzam o dobro", disse ele ao anunciar o relançamento do Banco Agrícola para o desenvolvimento do país.

Além disso, 2,4 bilhões de bolívares serão destinados ao Plano Zamora 2014, que trata do financiamento e estímulo ao produtor no campo.

Outras medidas são: a criação de um conglomerado industrial de empresas do campo para colheita, processamento e distribuição dos alimentos e a criação de um sistema único de guias de circulação de animais e produtos que necessitem da aprovação da Superintendência Nacional de Armazenagem e Depósitos Agrícolas (Sada) para, segundo Maduro, "otimizar os processos de distribuição".

Ontem, o presidente voltou a falar de medidas para impulsionar o desenvolvimento no campo. Maduro ordenou a ativação de um "registro único nacional obrigatório de produtores agrícolas", que começará a funcionar dia 15.

Segundo o presidente, a medida é um "instrumento vital" do programa social "Grande Missão Agrovenezuelana", responsável pela "revolução no campo".

Maduro afirmou que no dia 14 de outubro o governo instalará um "conselho presidencial de camponeses, pescadores e produtores do campo" para conectar todas as áreas relacionadas ao setor. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.